Sistemas CAI

1. Introdução
CAI – “Computer Aided Innovation” teve uma evolução significativa nas últimas décadas. Além disso, o desenvolvimento dos processos de novos produtos em muitas empresas assim tendo a indústria mudado completamente nos últimos anos. Nos últimos temas dos processos foram o tema foi sempre abordado de forma bastante caótica e intuitiva ou burocrática e lenta e na melhor das hipóteses apoiados por aplicações de tecnologias de informação padrão como seja o caso de programas de folhas de cálculo ou processadores de texto. Actualmente os processos de inovação são frequentemente processos definidos e complexos, com suporte a aplicações sofisticadas e com vários agentes internos e externos. A crescente oferta de aplicações específicas relacionadas com a inovação de apoio aos processos o que ajudam a introduzir novos métodos para no desenvolvimento dos processos de novos produtos que são uma das categorias de CAI, no entanto essas ferramentas inicialmente são focadas no “emprego orientado à inovação” e à inovação fechada.

Recentemente pode ser observado um novo desenvolvimento que será responsável pelo próximo passo evolutivo na categoria dos CAI’s especialmente para as fases iniciais tubulares do desenvolvimento de novos produtos o chamado front-end fuzzy – ou “Open CAI 2.0” que tem tanto uma base tecnológica, bem como um elemento estratégico, do ponto de vista tecnológico a utilização das tecnologias mais recentes de programação da Internet em todo o paradigma da Web 2.0, permitiu um uso mais interactivo e intuitivo de aplicações baseadas na Web e portanto abre o acesso ao CAI para um público maior não profissional e usuários inexperientes. Um ponto de vista estratégico das empresas no passado era o do ponto de vista da inovação predominantemente fechado e o “emprego orientado à inovação”, este paradigma do passado alterou-se para o paradigma da inovação aberta recentemente popularizou e começou a interagir com as pessoas e organizações fora da empresa, a fim de re/colher suas capacidades inovadoras, ambos os desenvolvimentos visam apoiar uns ao outro e levando assim ao crescimento generalizado de vários intermediários que oferecem as plataformas baseadas na Web e ferramentas com base nas mais recentes tecnologias da Web 2.0 para oferecer às empresas acesso às comunidades de inovação.
Em primeiro lugar descreve-se brevemente o tradicional CAI, em seguida os principais impulsionadores do CAI 2.0 abrindo assim possibilidades tecnológicas da Web 2.0 e de uma mudança do paradigma de fechado para o aberto à inovação, em segundo lugar as últimas tendências que podem ser encontrados no mercado que moldam o movimento aberto CAI 2.0 por novos tipos de intermediários chamados de “aceleradores de inovação abertos” que consistem no novos desenvolvimentos de fornecedores de aplicações CAI estabelecendo assim como muitos novos operadores que se posicionam como intermediários de inovação e de plataformas, usando aplicações como seu trunfo, finalizando com a construção de novas tendências que vêm com um CAI aberto e suas implicações para o seu desenvolvimento e fornecimento aos seus fornecedores/utilizadores.
2. O conceito original CAI
CAI aberto é melhor compreendido que o original CAI fechado pelo seu conceito e pelas suas deficiências e limites que são esclarecedores, portanto a seção seguinte irá proporcionar um breve panorama sobre o conceito tradicional e categorização dos CAI e contrastá-lo com o desenvolvimento do CAI aberto.
2.1.       Percursos do desenvolvimento e conceito CAI tradicionais
A fim de realizar a idealização do processo complexo e por vezes caótico desde a concepção à implementação no mercado com sucesso utilizadores e investigadores de áreas diferentes como de engenharia, de gestão, de sistemas informações trabalham para melhorar as hipóteses de sucesso e de eficiência a tempo de implementar nos mercado os desenvolvimentos dos processos de novos produtos. Com as ferramentas novas CAD, CAM e CAE ou melhoradas, os métodos teóricos de inovação TRIZ, QFD e FMEA, e dos conceitos de gestão de modelos de processo como o sistema de Stage-Gate, da engenharia concorrente ou métodos de portfólio e outras inovações tecnológicas ou organizacionais, tendo existido um grande progresso que tem sido feito para melhorar as capacidades de inovação das empresas e reduzir os tempos e custos de desenvolvimento dos novos produtos de forma significativa. Neste tipo de contextos, as ferramentas e aplicações específicas no apoio das actividades de inovação de novos métodos surgem para agilizar o desenvolvimento dos processos de novos produtos e ainda para orientar as equipas na investigação dos projectos com diferentes tipos de informações gerando assim a difusão de actividades. Esta necessidade do apoio em TIC representa o uso crescente em aplicações no campo das CAI, sendo um suporte para outras aplicações no processo de inovação. Embora no decurso da fase invenção a extremidade dianteira do desenvolvimento dos processos de novos produtos, sendo esta uma visão abrangente que concebe os sistemas CAI que integram no processo de inovação completamente holístico, mas o objectivo final do CAI é o apoio a empresas em todo o processo de inovação e integrar os sistemas nos processos de TIC de outras empresas.
No entanto, há um debate em curso sobre a conceituação teórica e empírica do termo CAI. No geral existe uma compreensão limitada sobre que tipo de ferramentas de TI e os sistemas abrangidos pelo CAI e que tipo de benefícios que podem estes proporcionar. Historicamente falando, o CAI surgiu a partir de ferramentas de aplicações que suportam a utilização do método de Altshuller TRIZ. TRIZ, Teoria soviético iniciado por Inventive Problem Solving, estando adquirindo o reconhecimento tanto como uma metodologia sistemática para a inovação e assim como uma ferramenta poderosa de previsão tecnológica. A partir desta perspectiva, o CAI tem sido principalmente relacionados com as ferramentas de aplicações como inovação no local de laboração ou na inovação da optimização, de uma perspectiva de sistemas de informação e marketing de gestão de sistemas de informação, sistemas de suporte a decisões, e a grupos de apoio à decisão de sistemas, foram desenvolvidas para apoiar as actividades de inovação, especialmente nas área de planeamento de recursos de empresas e das ferramentas de gestão do ciclo de vida do produto, podendo por vezes ser observado uma evolução inversa de trás para a frente do processo da inovação. Como as ferramentas de gestão do ciclo de vida do produto podem ser integrados métodos de conhecimento e de gestão de projectos e ferramentas, que surgem em novas alternativas que resultam mais de um sistemas de informação e das perspectivas de transacção. Aplicações de gestão específico de patentes e ferramentas de planificação estratégica para o desenvolvimento dos processos de novos produtos contribuem para a complexidade crescente dos sistemas de CAI. Também discutir abordagens como a de gestão total de inovações e do EDI-sistema de sugestão do colaborador e da relação com o sistema CAI, para adicionar mais complexidade à imagem, todas as trajectórias de desenvolvimento aparentam derivar para uma maior integração com as aplicações similares as suas e nas áreas de aplicação das ferramentas para que as fronteiras desses domínios de desenvolvimento podem se tornar mais complexas, portanto os regimes de qualificação para o CAI que foram desenvolvidos para entender melhor o conceito de CAI. 
2.2.       Categorias tradicionais de CAI e suas aplicações
Normalmente produtos CAI estão incorporados numa gama de aplicações simples até aplicações com aspectos específicos no processo de inovação para soluções abrangentes adequadas para apoiar o processo de inovação de geração de ideias no lançamento de um produto. Um esquema base para categorizar aplicações para aumentar a transparência e clareza da definição e conceito de sistemas de CAI, sendo que esta classificação consiste em três categorias principais que representam os campos mais importantes nas actividades dos processos de inovação e são apoiados pelas ferramentas dos actuais sistemas de CAI:
--Estratégias de gestão: Os produtos desse grupo têm em comum o facto de ajudar os gestores de inovações a lidar com questões de estratégicas, como gestão de carteiras ou de cenário.
--Gestão da ideia: estes produtos gerem de frente e de retaguarda os processos de inovação de geração de colecção de ideias para a avaliação da ideia.
--Gestão de patentes: O papel das patentes no processo no desenvolvimento dos processos de novos produtos é dupla, primeiro porque as patentes podem ser usadas para proteger invenções e, segundo porque e pelo menos igualmente importante, as patentes podem ser utilizadas para estimular invenções. As metodologias de invenção como TRIZ, são baseados em dados de patentes por exemplo, a gestão da informação sobre patentes está portanto, intimamente ligada às actividades de inovação.
Alguns produtos CAI abrangem aspectos pelo menos com duas das principais categorias e com o nome de soluções holísticas, este ponto de vista coloca uma etiqueta à categorização CAI com o nível de integração das ferramentas CAI. Os campos de actividades integrados no desenvolvimento dos processos de novos produtos podem ser subdivididos ainda que forneçam uma compreensão mais profunda das funções CAI.
Pode-se concluir que estas categorias representam uma compreensão holística e abrangente da CAI prazo e ajudar a apoiar a clarificação do CAI a curto-prazo, cuja definição ainda é difuso. No entanto, mesmo ferramentas CAI holísticas neste esquema de categorização têm sido e são primárias numa empresa focada em conceitos internos como a inovação do colaborador no trabalho, assim como a estratégia evolucionariamente estável e a perca da inovação. As partes externas interessadas no processo de inovação como sejam o cliente final, os utilizadores ou a interacção com outras pessoas e organizações fora da empresa não tem tido um papel decisivo no modo tradicional CAI conceitos até então. Por isso se designam como CAI tradicionais esta abordagem para o processo de inovação encerrado o sistema de CAI como é mostrado na IMAGEM 01. Tal como indicado na imagem no caso da inovação de novas ideias e da entrada de novos conhecimentos tecnológicos predominantemente originários de fontes internas e empregados próprios da empresa. Dentro dos limites da empresa a maioria das actividades de inovação procedem em conformidade com conceitos de frente para o fim e de trás para o fim com o aumento no apoio dos sistemas de CAI, estando os fornecedores e desenvolvedores dos tradicionais de CAI empurrando a integração dos mais avançados sistemas CAI junto a lógica do processo de inovação fechada.
3. Novo conceito do CAI aberto
Nesta secção, ira se desenvolver o conceito do CAI aberto e identificar o seu núcleo de inovação aberta, estratégico e tecnológico, assim como os seus principais fornecedores, parece que ambos os componentes não têm características de absoluta exclusividade, mas na realidade se sobrepõem em muitos aspectos, após a elaboração dos aspectos essenciais dos componentes e dos seus principais fornecedores, poder-se tentar desenvolver um novo conceito chamado “CAI aberto”.
3.1.       Abra paradigma de inovação como driver estratégico
Do ponto estratégico de uma empresa que passou do ponto de vista do paradigma de inovação predominantemente fechado do passado para o recentemente paradigma da inovação aberta e começou a interagir com pessoas e organizações fora da empresa, a fim de colher suas capacidades inovadoras, a inovação aberta pode ser definida como o uso intencional dos fluxos de entrada de conhecimento e fluxos para acelerar a inovação interna para expandir os mercados para o uso externo das inovações, esse paradigma pressupõe que as empresas possam e devam usar ideias externas assim como ideias internas e os caminhos internos e externos para o mercado como um olhar para o avanço da sua tecnologia. Este conceito foi empregado por Chesbrough, com base em sua pesquisa sobre as práticas de inovação das grandes empresas multinacionais, a inovação aberta é caracterizada pela cooperação para a inovação dentro das redes de largura horizontal e vertical das universidades, na criação de empresas, fornecedores, spin-off’s, e as das concorrências. As empresas podem e devem usar ideias externas assim como as das suas próprias ideias dos departamentos de I&D, e ambos os caminhos internos e externos, como spin-off’s ou licenças para o mercado, a fim de avançar sua tecnologia como mostrado na IMAGEM 02.

Como as fontes de informações externas para o processo de inovação são abundantes, incluindo os agentes do mercado, como clientes, fornecedores, concorrentes, o sistema científico de laboratórios das universidades e instituições de investigação, as autoridades públicas como agentes de patentes e as agências de financiamento público, e as partes mediadoras, como consultores de tecnologia, os média, e os organizadores da conferência, há novos métodos e tecnologias necessários para explorar e gerir esses esquiços da inovação de valor. Com a aplicação destes métodos para a inovação aberta uma empresa pode superar sua tendência de busca local e adquirir exactamente a informação necessária e, portanto, inovar mais eficiente para um bem-sucedido, os principais métodos usados para implementar a inovação aberta são:
--Método do usuário de liderança: Este método foi desenvolvido inicialmente por Eric von Hippel, que veio com o utelizador/Driven-client o paradigma do utilizador da Inovação, Eric von Hippel já teria observado na década de 1980 que as origens de muitos produtos e serviços são utilizadores avançados que levam outros utilizadores em vez de empresas, ao local da aplicação e utilização. Assim, os utilizadores têm um papel mais activo e importante do que a teoria tinha sugerido antes, utilizando o método de que o utilizador levar essa teoria podendo ser aplicada para melhorar a saída de inovação, identificando os usuários inovadores e em seguida integrá-los por meio das oficinas de inovação, o método do utilizador de liderança também é uma prática comprovada de recolher inovação tecnológica de soluções e os chamados a informação precisa que representa a experiência do utilizador e os seus requisitos.
--Toolkits para a inovação aberta: Estas ferramentas são instrumentos baseados na internet que visam apoiar os utilizadores na transferência das suas necessidades e no desenvolvimento de novos produtos. Ferramentas de toolkits do utilizador para a inovação e o desenho integrado conjuntos de desenhos de produto, prototipagem e ferramentas de no desenvolvimento do desenho para ser utilizado pelos clientes finais. O objectivo de um toolkit de ferramentas é permitir que os utilizadores não especializados projectar desenhos de alta qualidade, produtos de fácil manufactura e personalizados que corresponderá exactamente as suas necessidades, os Toolkits geralmente contêm características “user-friendly” que orientam os usuários nos seus esforços. No entanto eles são restritos a um tipo de produto ou serviço e um sistema de produção específico, existe um número crescente de empresas que utilizam estas ferramentas para atender as exigências individuais substituindo pesquisa de mercado através da interacção directa com o utilizador, por exemplo um conjunto de ferramentas fornecidas aos clientes interessados em projectar seu próprio personalizado chips semicondutores que é adaptado precisamente para esse efeito e não pode ser usada para projectar em outros tipos de produtos, os utilizadores aplicam um kit de ferramentas em conjunto com para que a sua compreensão se enriquece em suas próprias necessidades para criar um projecto preliminar ou um protótipo simular para avaliar o seu funcionamento em ambiente de uso próprio e em seguida iterativamente melhorá-lo até que o projecto satisfaça a necessidade do utilizador em particular.
--Concursos de inovação: Os concursos visam à geração de entrada para todas as fases do processo de inovação, num concurso de inovação a empresa solícita aos seus clientes, utilizadores ou especialistas no público em geral, para quem pretende divulgar as ideias inovadoras e sugestões para melhoria do produto ou pede uma solução muito específica para uma tarefa a um tecnólogo dedicado ao desenvolvimento de produtos inovadores. As competições vêm em tipos diferentes, estas podem ser um apelo muito grande para as contribuições dirigidas a todos os potenciais clientes da empresa ou apenas de uma questão muito dedicada de uma pequena equipa de especialistas duma comunidade específica, os concursos de ideias pode servir para integrar clientes e usuários na extremidade dianteira do processo de inovação. No entanto estes concursos de inovação também podem começar numa fase posterior do processo de inovação, geralmente na busca de abordagens inovadoras para um problema técnico dentro de um campo amplo de problemas solucionadores. Esses concursos vão além da perspectiva de inovação do utilizador e da direcção das ideias de crowdsourcing quanto ás tarefas que tradicionalmente eram realizados por um trabalhador ou tecnólogo são terceiradas para um grupo de pessoas ou comunidade, através de uma chamada de abertura a um grande grupo de pessoas assim uma multidão chamados pedindo contribuições. Não só nesse pontos de inovação aberta na Web e das ideias que começam a sobrepor-se significativamente.
A fim de apoiar os diversos métodos resultantes do paradigma de inovação aberto a específicas soluções das tecnologias de informação estarão cada vez mais desenvolvidas para permitir aos participantes da empresa externa integrar directamente no processo de inovação. Este desenvolvimento expande o conceito tradicional CAI para a esfera de inovação aberta.
3.2.       Web como incentivo tecnológico
Em paralelo com o desenvolvimento estratégico na área de gestão da inovação descrito anteriormente o desenvolvimento paralelo ocorre na área de aplicações que são relevantes para a área da CAI, o último desenvolvimento que se pretende destacar com mais detalhe é o que é frequentemente descrito como o termo de Web 2.0, esta terminologia não tem uma definição clara até agora e muitas discussões sobre seu conteúdo real e seu futuro no desenvolvimento para a Web 3.0 que estão em curso, não obstante a evolução da Web e de determinadas tecnologia que nos últimos 10 anos levaram a uma nova geração de serviços Web que têm alguns elementos comuns que constroem os elementos essenciais da Web 2, estes elementos fundamentais que são relevantes no contexto do CAI-aberto assim como também a computação em nuvem e a usabilidade de computadores portáteis e a sua interactividade na Web semântica, estes elementos e sua influência nos sistemas CAI é explicado abaixo.
--A computação em nuvem: A computação em nuvem é definida como uma arquitectura de aplicações no qual a aplicação central não reside na localização do usuário, mas na nuvem que tipicamente consiste em estar num ou mais sistemas de servidor central. A computação em nuvem oferece duas vantagens que são relevantes para a evolução do CAI, sendo que os serviços de nuvem podem ser acedidos facilmente pelos utilizadores através de uma ligação à rede sem a necessidade de qualquer instalação de aplicações as ao serviço, e a computação em nuvem permitem uma fácil escalabilidade do serviço. Esta arquitectura é portanto um dos pré-requisitos para permitir não só um conjunto predefinido de utilizadores para o seu uso e acesso a infra-estruturas CAI de uma empresa mas também o fácil acesso a um número quase infinito de usuários como a Fiat está fazendo com a sua inovação virtual, o MIO.
A computação em nuvem também foi um pré-requisito para criar plataformas de inovação aberta, que oferece a todos os utilizadores da internet a participação em muitos concursos de inovação de várias empresas diferentes.
--Gosto da usabilidade dos computadores de mesa: A combinação de novas tecnologias Web como o RSS, XML, JavaScript e outras que permitem os programadores para desenvolver aplicações que oferecem interfaces ricas ao utilizador e a interactividade com PC equivalente e portanto pode ser usada quase como uma aplicação de desktop, apesar do fato de que esta ser se baseado numa infra-estrutura de nuvem, estas tecnologias constituem a base para interfaces fáceis de usar para usuários inexperientes para aceder as ferramentas CAI, enquanto a Web permite o acesso fácil à informação para quase todos os usuários da internet, o estas novas tecnologias permitem que esses utilizadores não só de acesso à informação mas também criadores na compartilhar e criação de informações via Web, para que a inovação de concursos agora é possível para os utilizadores façam o upload dos desenhos, imagens e outros documentos para o banco de dados ideias sem quaisquer problemas.
--Interactividade: Baseada em novas tecnologias como, assim como a tecnologia RSS a Web se tornou muito mais dinâmica e interactiva, RSS ajuda os usuários para receber actualizações automáticas sobre as últimas mudanças o que torna mais fácil de aceder e gerar informações e ambos que levam portanto um comportamento muito mais interactivo do utilizador, a inovação contesta, portanto não significa apenas para colectar ideias de fora, mas também para debater e com isso enriquecer as ideias durante o processo de desenvolvimento do produto. As discussões sobre as ideias apresentadas, as avaliações até a ideia por parte dos utilizadores com base nas classificações ou ainda elementos da negociação do mercado de acções são possíveis devido a estas possibilidades serem interactivas.
--Web semântica: A Web semântica refere-se às novas possibilidades de criar meta-informação, para uma informação com uma medida certa e como podem ser criadas automaticamente, as informações adicionais em forma de por exemplo de tags está sendo criado por vários utilizadores. Esta meta-informação é uma ferramenta muito importante para o processo de uso e muita informação criado na Web contemporânea, no contexto do CAI a meta-informação pode contribuir para agrupar ideias em determinadas categorias que podem ajudar a buscar e avaliar as ideias e extrair as ideias que mais fortalecem a ideia que está a ser discuta ou melhor classificada pelos próprios utilizadores.
Estas tecnologias de núcleos ajudaram a transformar a Web antiga para a Web actual, enquanto a antiga Web foi focada num direcção de divulgação de informações de uma fonte central para muitos receptores diferentes, a Web actual pode ser caracterizada por uma forma de n para n meios de comunicação, portanto a Web actual permite a participação activa de muitos mais utilizadores, levando assim a uma sabedoria colectiva da multidão, em vez de depender de uma única fonte de informação como antigamente na Web. Também o aumento da flexibilidade através da substituição de um PC e servidor focado numa arquitectura para uma plataforma e para uma arquitectura independente de dispositivo portátil. Todas essas alterações estão a ser reflectidas na evolução mais recente que podendo se observar no mundo dos CAI, os aplicativos de aplicações predominantemente estão sendo migrados para servidores centrais a fim de permitir uma base mais ampla de utilizadores para acede-los, o uso de sistemas de gestão de ideia torna-se mais da gestão da informação interactiva e assim actualmente muito mais ideias e adicionais estão sendo gerados do que no passado. Como exemplo da IBM Idea Jam pode ser visto, que durante um período de apenas 90 horas a edição de 2008 criou mais de 32.000 posts de participantes de mais de 1000 empresas. Outro exemplo é a o brainstorm da Dell que levou a mais de 14.500 ideias até ao momento. Ao olhar para a dimensão desses números pode-se imaginar que ter ideias não é a questão fundamental deixa de ser capaz de a identificar e motivar os utilizadores relevantes a participar e gerar e/ou recolher as ideias relevantes e classificar e analisar essas ideias recebidas de uma forma eficaz, existindo várias empresas start-up realizando essas necessidades e a construção do seu modelo de negócio em torno desta proposição, estas empresas quase que caseiras e são alternativas de evolução.
3.3.       Aceleradores de inovação aberta como novos intermediários
Nos últimos anos viu-se um aumento enorme de jogadores na área de intermédia da Web baseados em plataformas de inovação aberta, com base nas tecnologias disponíveis recentemente descritas no capítulo anterior e do paradigma da nova estratégia de inovação aberta descrita anteriormente várias empresas começaram a oferecer serviços, principalmente baseado na Web que oferecem a outras empresas a o know-how da sabedoria da multidão de uma maneira muito fácil a fim para aumentar a eficiência e a eficácia do seu processo de inovação. Todos os fornecedores de aplicações e serviços podem ser chamados aceleradores de inovação e definidos como fornecedores de plataformas que as empresas oferecem a possibilidade de inovar, em cooperação com actores externos da periferia, os aceleradores de inovação normalmente oferecem uma ou várias modalidades de inovação aberta e serviços complementares para o processo de inovação, esses métodos como por exemplo utilizador de liderança, concurso de ideias, e kits de ferramentas são especialmente focados na integração de actores externos. Em consequência, os aceleradores de inovação facilitam uma nova forma de colaboração entre uma empresa inovadora e seu ambiente, ao fazer isso os aceleradores de inovação aceleraram o processo de uma empresa de inovação interna, estudos recentes do mercado de aceleradores de inovação descrevem em detalhes e fornece uma aglomeração significativa desses aceleradores de inovação, mas actualmente as empresas podem escolher entre três categorias principais de aceleradores de inovação.
--Prestadores de toolkit’s: Esta terminologia descreve as empresas que oferecem ferramentas especializadas que podem ser usados através da internet como os testes conjuntos de toolkits de desenvolvimento do utilizador, etc., estes provedores existem normalmente por um longo tempo e já se diferenciam principalmente pela metodologia implementada pelas suas aplicações.
--Emissores de pesquisa: A segunda categoria nos aceleradores de inovação existe há muito tempo também mas as novas tecnologias da Web, iniciou uma nova onda de jogadores. Empresas desta categoria reúnem existentes problemas técnicos e questões de pesquisa e divulga-los a uma comunidade global de pesquisa. Enquanto a primeira geração dessas empresas baseou em contactos pessoais e de comunicação de correio electrónico a geração actual se baseia em comunidades de investigação que são geridos através da internet e formam a sua comunidade e sua solução.
--Organizadores de concursos: Esta categoria é um resultado dos novos paradigmas tecnológicos e das possibilidades descritas acima, eles constroem a base para a interacção entre as empresas e a comunidade de interesses que responde às questões de pesquisa levantadas pelas empresas, duas variáveis distinguem os organizadores da competição já existente. De um lado o número de empresas envolvidas, por outro lado a largura de acesso dos utilizadores. O resultado de quatro tipos diferentes pode ser visto abaixo na IMAGEM 03. 
Na metade inferior vê-se as iniciativas que são iniciadas por uma só empresa, a fim de atender as necessidades de sua própria empresa só. Em algumas circunstâncias, como no caso da IBM, a iniciativa começou na IBM e só incidiu sobre inicialmente à equipe interna. Depois que se tornou tão bem sucedida que agora é oferecido aos outros participantes também, no canto inferior direito, encontra-se exemplos de concursos de inovação que se concentram apenas em uma empresa mas que já estão abertos ao público. No canto superior esquerdo vemos fornecedores de plataformas que fornecem as aplicações a várias empresas diferentes, mas essas empresas restringem o acesso individualmente, principalmente apenas funcionários e outros parceiros seleccionados que são convidados a participar. No canto superior direito vê-se a forma mais avançada de organizadores do concurso: plataformas multi-empresas que realmente entendem-se como intermediários entre as comunidades de pessoas individuais e um número menor de empresas. Nesta configuração os aceleradores de inovação não só fornece a tecnologia para às empresas mas também é responsável por construir e manter a sua comunidade de inovação própria, por isso a troca de ideias pode ser feita mesmo na distância que permite à empresa e/ou que o usuário sejam anónimos.
Independente do tipo de aceleradores de inovação todos eles têm em comum o facto de cumprir três tarefas diferentes, o primeiro de tudo é o de definir e gerir o processo necessário para agrupar e seleccionar as ideias de uma grande quantidade de pessoas diferentes, em segundo lugar fornecer uma plataforma tecnológica que permite reunir, documentar, discutir e melhorar as ideias e conceitos de forma independente do tempo e lugar, isto leva à terceira tarefa e mais importante, a facilitação da troca entre uma comunidade e de inovação e a empresa que está à procura de ideias externas.
4. Sentido do conceito do CAI aberto
Como uma das implicações das estratégicas de tendências antes mencionado, como a técnica e os mercados na área de inovação das empresas, que integram esses novos modelos em um novo conceito chamado “CAI aberto”, recomenda-se o CAI aberto como o próximo passo evolutivo na trajectória de desenvolvimento CAI, definiu-se CAI aberto como categoria de ferramentas CAI que utilizam as seguintes tecnologias da Web actual para facilitar os métodos de inovação aberta e para abrir o acesso das organizações a um público maior de actores externos e capacitá-los para interagir em diferentes actividades do processo de inovação, a IMAGEM 04 abaixo mostra como o alcance global dos CAI abertos têm alterações em relação à CAI fechados representado na IMAGEM 01.
Para descrever precisamente o conceito da tabela 01 que resume os elementos centrais das alterações em comparação com CAI fechado, assim como os benefícios e os desafios resultantes. 
/
Elemento central
Estado do CAI fechado
Benefícios resultantes
Desafios decorrentes
1
Ampliando a comunidade de inovação para além das fronteiras da empresa
•CAI centrada principalmente nos trabalhadores da empresa •Aplicações proprietárias
•Forte orientação para o cliente pois os utilizadores podem articular os desejos directamente •Aumento de mediadores e portanto ideias
•Comunidade de construção e de gestão •Superando "não se faz aqui" •Questões jurídica de direitos de propriedade sobre o conhecimento externo •Realização técnica de interfaces externas •Expectativa de gestão da comunidade
2
Avaliação das ideias e conceitos pela comunidade
•Avaliação qualitativa das ideias principais por especialistas internos
•Possibilidade de utilizar a sabedoria das multidões para lidar com ideias elevado número •Novas formas de avaliação com melhores resultados •Mais e melhores ideias e conceitos de produtos •Aumento da eficiência e efectividade
3
Integração do processo de inovação aberta no processo de desenvolvimento de novos produtos e estratégia
•Inovação fechada •Recolha de ideias externas somente por meio de pesquisas de mercado ou publicidade
•Definição das competências essenciais •A gestão eficiente do processo •Integração do CAI fechado e aberto
Um elemento central é a expansão da comunidade de inovação para além das fronteiras da empresa, o processo de inovação não está mais focado nos colaboradores internos e nas aplicações do proprietário mas em todos os clientes pesquisadores e pessoas interessadas que podem participar através de uma simples página Web. Isto leva a um tremendo aumento do potencial criativo bem como o número de ideias que entram na linha de desenvolvimento de novos produtos, obviamente que a acumulação de tais ideias da comunidade é um grande desafio, portanto a gestão das multidões torna-se uma competência fundamental. Adquirir os geradores de ideias mais talentosos e os avaliadores se tornará uma habilidade crucial e as comunidades de inovação tornam-se activas e cruciais nas empresas. As empresas vão competir para se tornar a melhor empresa melhor para inovar, por sua vez oferecem-se novas oportunidades para aceleradores de multi-empresas com as suas próprias comunidades para cima o valor dos seus serviços.
Como o número de ideias que vão explodindo nas empresas é necessário novas formas de avaliação da ideia e de manipular essa quantidade de ideias. No passado recebendo uma quantidade suficiente de ideias e enchendo as num afunilamento de inovação foi uma questão crucial, actualmente com o CAI aberto é facilmente possível gerar milhares de ideias num período muito curto de tempo, utilizando a sabedoria das multidões, isto leva ao segundo elemento central do CAI aberto: A avaliação de ideias e conceitos pela própria comunidade, essa avaliação irá substituir a comunidade avaliações predominante no CAI fechado, é que os métodos de avaliação existentes, como painéis de peritos, as tabelas de pontuação e outros não são adequados para a pontuação milhares de ideias. A ideia de avaliação de uma enorme quantidade de ideias devem ser geridos de uma forma similar à que a geração da ideia: usando a sabedoria da multidão, as comunidade com base em metodologias de voto como fóruns de discussão simples, classificações da comunidade ou metodologias mais complexas como previsão de que os mercados são baseados em bolsa-share algoritmo de negociação, as melhores respostas até agora para este desafio são difíceis de resolver, eles não só são capazes de gerenciar a enorme quantidade de ideias mas também adicionalmente levar a resultados de avaliação potencialmente melhor, dando o controlo total da avaliação ideia e do conceito que levanta um outro desafio para as empresas o de como lidar com os resultados, especialmente se no topo do ranking ideias pela comunidade contradizem outras direcções estratégicas. No brainstorm da Dell as ideias mostra por exemplo que algumas das ideias mais bem classificado não estão sendo implementadas e a comunidade a inovação começa a reclamar por não ser ouvida, uma vez que essas ideias na maioria dos casos se trate de uso das aplicações de fonte aberta, e isso contradiz com as prioridades estratégicas da Dell.
Por isso é importante para as empresas que queiram implementar CAI aberto e considerar um terceiro elemento do CAI aberto, a integração do conceito no processo de desenvolvimento de novos produtos, bem como a estratégia corporativa. Isso inclui, por exemplo, começar com a definição clara de comunicação nos principais campos de pesquisa estratégica, de modo a comunidade pode se concentrar em ideias que podem ser implementadas em vez de criar ideias que sem hipótese de serem reais. No caso das prioridades estratégicas são definidas outro desafio se coloca, que o CAI aberto requeira que das empresas de gestão da ideia terceirem, bem como avaliação da ideia, pelo menos, até certo ponto, isto assim leva a questões completamente novas em relação à gestão do processo com certeza CAI aberto irá facilitar a evolução de fontes mais abertas. Isso leva à consequência que as empresas podem criar singularidades não principalmente por recursos tecnológicos, mas mais pela qualidade da execução do processo, o que significa ser o mais rápido da empresa que irá realizar as ideias geradas com uma boa qualidade no mercado. Neste contexto a estreita integração de processos de inovação aberta com os processos internos do desenvolvimento dos processos de novos produtos, a fim de minimizar o tempo de processamento o que será um elemento importante, só se as empresas implementam os três elementos centrais descritos acima podem colher os benefícios potenciais do CAI aberto.
5. Conclusões e perspectivas
Este post mostra como os desenvolvimentos tecnológicos recentes em torno da Web actual sobre as aplicações CAI abertas de gestão em afunilamento de uma base mais ampla de utilizadores e portanto mesmo para utilizadores inexperientes. Ao mesmo tempo o paradigma da inovação aberta deslocou a atenção das empresas para os empregados como principais fornecedores de novas ideias para os clientes e outros utilizadores fora da empresa. Ambos os orientadores eram mutuamente dependentes e amplificado uns aos outros e, por conseguinte leva-se a um aumento enorme de potenciais utilizadores e por que as ideias que entram no processo desenvolvimento dos processos de novos produtos em empresas estabelecidas. Além disso esses processos precisam ser alinhados plenamente com os processos existentes do desenvolvimento dos processos de novos produtos para poder colher os benefícios potenciais. A integração das actividades de inovação aberta com o sistema de desenvolvimento dos processos de novos produtos interna será uma tarefa importante para as empresas envolvidas, além dos desafios acima descritos outras questões que precisam ser resolvidos assim:
--Direitos de propriedade intelectual de gestão: O CAI aberto requer que as empresas terceirizem o aumento da geração de ideias como avaliação da ideia, pelo menos até certo ponto, isto leva a questões completamente novas com relação à gestão de propriedade intelectual, como pode ser recompensado adequadamente os inovadores, como as empresas podem certificar-se de proteger as inovações geradas em processos de CAI abertos.
--Negócio do modelo de inovação: Em quanto mais ideias externas e os actores estão integrados no processo de inovação de uma empresa alargada, novas oportunidades valiosas são identificados que desafiam os tradicionais modelos de negócios que a empresa tradicionalmente se concentra. Este desafio estratégico poderia ser atingido com um forte foco no processo de dentro para fora dos métodos de inovação aberta como a gestão de risco que poderia-se tornar numa outra habilidade fundamental para utilizar o CAI aberto2,0 para o seu pleno uso. Enfrentar os desafios acima mencionados será um tema interessante para futuras pesquisas e oferece amplas oportunidades para as empresas e prestadores de serviços para se diferenciar no mercado.
Para os fornecedores dos novos e velhos CAI o rumo para integrar CAI fechado e o aberto são soluções que contém igualmente oportunidades e ameaças. Para os fornecedor de tradicionais de CAI fechado é vital dominar a transição para tecnologias Web actual e adicionar métodos de inovação aberta para que permitem essa integração no mercado dos seus clientes no longo prazo. Se eles não conseguem fornecer essa funcionalidade adicional dos aceleradores de inovação têm a oportunidade de preencher esta lacuna e ampliar seus serviços e tecnologias no domínio tradicional do CAI fechado oriundos em grande parte do exterior e abordar extremidade dianteira do processo de inovação. A natureza complementar para a trajectória do desenvolvimento também oferece uma solução cooperativa na qual ambos os fornecedores novos e antigos sistemas CAI possam unir suas capacidades específicas para integrada numa solução de CAI aberto, investigações futuras devem também incidir sobre o desenvolvimento de tais conceitos e soluções.
Enviar um comentário