Falta de peças

agua
Empresas de todo o mundo estão a esforçar afincadamente para reequipar as suas cadeias de abastecimento e a lidar com o terramoto no Japão e bastantes empresas estão descobrindo que podem não estar tão bem preparadas como estas pensam.
Após o terramoto, especialistas em logística dizem que houve uma exposição dos pontos fracos de uma série de empresas globais, tais como componentes electrónicos e automóveis.
A GM-General Motors Corporation foi um dos primeiro fabricante de automóveis dos EUA a fechar uma fábrica devido á crise no Japão. A GM não sabe quando espera-se reiniciar a produção de determinados modelos como seja a das pick ups devido aos sensores de ar.
A nível mundial, as empresas diminuíram a produção ou procuraram novos fornecedores para evitar a falta de componentes dominados pelo mercado Japonês. O Japão responde por cerca de um quinto da oferta mundial de bolachas de silício usadas para fazer semicondutores, sendo assim o lar de um grande número de fabricantes de material chave para cristais dos monitores LCD. O Japão também fornece cerca de 90% da oferta mundial de resina BT-Epoxy, Triazina Bismaleimida, um produto químico usado para fazer placas de circuitos dos telemóveis.
Enquanto isso, a Boeing, afirma que estão determinando a formas de lidar com a possível escassez de peças avião, peças de fornecedores no Japão. As peças de produção de aviões comerciais, são provenientes de dezenas de fornecedores japoneses.
Sendo talvez os pontos de risco identificados na cadeia de abastecimento a manufacturação em condições mínimas e capazes de gerir os riscos de interrupção na cadeia de fornecimentos de energia e infra-estruturas de transportes, e preparar bem a contabilidade das empresas para o preço do petróleo, dos impactos ambiental e esses riscos têm de estar bem preparados para os próximos cinco anos para que não haja consequências piores.
Um outro facto adicional é que as empresas que costumam de comprar peças de produtores que se baseiam em matérias-primas ou componentes menores que vêm do Japão, e muitas empresas estão lutando para descobrir o quanta exposição existem em cavidades ocultas, tais como sejam os sensores de fluxo de ar. As produções nas fábricas de Eisenach, na Alemanha, e Zaragoza, na Espanha, por causa do abastecimento a curto dos sensores tem turnos parados
Honda Motor Company, Limited e a Mazda Motor Corporation mantêm as empresas no Japão fechadas, e com grandes reduções de produção em Bangkok.
Devido à causa do abastecimento a curto prazo dos sensores as produções nas fábricas de Eisenach, da Alemanha, e Zaragoza, da Espanha, tem redução de um turno por enquanto, e na França a Peugeot-Citroen foi agendada uma redução na produção da maioria das suas fábricas europeias de devido à falta do sensor de fluxo de ar, essas reduções vão afectar a produção do Peugeot 207, Citroen C3 e outros modelos. As peças são levadas de avião do Japão, e PSA normalmente só mantém se durante um período de 10 dias de oferta. A produção está sendo cortada para entre 40% e 50% da capacidade em instalações da PSA em Madrid e Vigo, na Espanha; Poissy e Aulnay em França, e de Trnava, na Eslováquia. Em Sochaux, Mulhouse e Sevelnord, todos na França, a produção está sendo cortado para 75% da taxa normal.
As fábricas do grupo PSA na China e na América Latina não foram afectados porque eles usam diferentes motores e sensores.
Além do fornecimento de GM e Peugeot, a as empresas que fornecem este tipo de sensores também fábrica componente para montadoras como a Ford Motor Company, SA, a Renault SA , Nissan Motor Company Ltd., Toyota Motor Corporation e Volkswagen.
Na Suécia, a Volvo Cars Corporation, uma unidade de Zhejiang da China “Geely Holding Group Company”, tem apenas cerca de uma semana de fornecimento de componentes japoneses e que a menos que a empresa pode adquirir mais peças em breve, a produção vai atingido de forma significativa. Uma possibilidade é parcialmente fabricar alguns modelos e adequá-los mais tarde com os componentes em falta, no entanto, que poderia funcionar apenas por um período curto. Outra possibilidade é shuffle alguma produção para focar em modelos que não são tão afectados pela falta de abastecimento.
As empresas de moldes de plástico estão a começar a ser produzidas na China e na Coreia do Sul. Havendo grandes incertezas na abertura das fábricas da Honda no Japão, as empresas da Coreia do Sul afirmam ter bolachas de silício para continuar a funcionar normalmente no curto prazo, mas se a situação durar mais tempo podem afectar não só a essas empresas que produzem com alguma quantidade, mas toda a indústria de produção de chip.
Através da construção de inventários e diversificação da sua gama de fornecedores das empresas pode-se poupar a ansiedade, porque isso pode custar mais para guardar suprimentos de contingência.
Alguns especialistas em logística têm alertado que os sistemas de entrega just-in-time foi pioneira no Japão e muitas vezes utilizados nas indústrias de tecnologia automóvel para fornecer os componentes e matérias-primas apenas quando eles são necessários, estando assim vulneráveis ​​aos stocks de inventários, havendo assim tempos não produtivos como resultado da escassez de peças de fornecedores japoneses
Muitos produtores mundiais nos últimos anos para reduziram a sua lista de fornecedores para obter taxas reduzidas por parte dos fornecedores que fazem uso de pequenas quantidades de material, assim criando riscos que se base menor que é incapaz de fornecer os produtos.
A turbulência política no Médio Oriente e Norte da África, erupção vulcânica da Islândia no ano passado e passar da China em Setembro na restringição das exportações de matérias raras as empresas deveriam ter colocado no anúncio, estes riscos acrescidos e rupturas definitivas estão vindo para nós num ritmo furioso e é absolutamente crítico que as empresas estarem preparas com planos de contingência detalhados. Até certo ponto, o desastre no Japão é incomum, o país tem um nicho como um produtor de alta qualidade de muitos componentes e materiais avançados, e empresas japonesas dominam frequentemente seus sectores, o Japão fornece 78% da oferta global para os materiais de eléctrodos em baterias de íon-lítio. No entanto as preocupações sobre o fornecimento de aprofundamento de tais bens é de ressaltar como os desastres podem provocar choques de oferta global.
queimado
barco
Enviar um comentário