Morto-vivo

Se um exército de mortos vivos invasores estão para a sua porta de entrada, não se deve de preocupar: uma fechadura da porta activada através da impressão digital pode salvar sua vida. Isto porque um grupo de investigadores conseguiu fazer com que um digitalizador biométrico pode manter os mortos-vivos fora.
Bem, eles não estavam especificamente preocupados em tentando parar um exército de mortos vivos, mas existe uma preocupação genuína sobre carne morta sendo usada enganar os leitores de impressão digital. Dedos cortados e até mesmo os dedos cortados de cadáveres pode ser usado para dar a entrada de pessoas que pretendam realizar actividades ilícitas em instalações seguras, como seja para roubar carros ou terem acesso a sistemas em computadores.
Parece estranho, mas o primeiro caso relatado foi em Março de 2005, quando um grupo de indivíduos duvidosos roubou um Mercedes atreves de activação biometria em Kuala Lumpur, na Malásia. Inicialmente, eles levaram o proprietário com eles para que pudesse ligar o carro, mas eles logo se cansaram da sua presença e cortaram o seu dígito antes de o deixarem na estrada.
Para combater este tipo de crimes sangrentos, investigadores do “Dermalog Identification Systems” em Hamburg na Alemanha, desenvolveram uma forma de um digitalizador de impressões digitais capaz diferenciar entre tecidos vivos e mortos.
O truque é baseado nas manchas branquiada do tecido vivo ou a sua mudança de cor quando o sangue é espremido para fora dos capilares, como um dedo é pressionado contra uma superfície, por exemplo.
A Dr. Clarissa Hengfoss e seus colegas descobriram na Dermalog que os dedos vivos absorvem a luz LED em 550 nanómetros no primeiro contacto e depois 1450 nanómetros como a pele empalideceu quando em totalmente contacto com o sensor (Forensic Science International, DOI: 10.1016/j.forsciint.2011.05.014). Em contraste, os dedos de três cadáveres não mostrou nenhuma mudança desse tipo.
“Os espectros de pressão de contacto leves e fortes eram mais ou menos idêntico para dedos de cadáveres”, dizem os investigadores de Dermalog, pelo que eles esperam que a técnica vá encontrar seu caminho nos digitalizadores do futuro para “servir de critério para a autenticação de um dedo vivo”.
Com um dedo cortado não é a única maneira de enganar os testes biométricos: impressões digitais falsas podem ser criadas por impressões 3D e cópias em géis de borracha ou plástico de silicone diz Dr. Marcela Espinoza, do Instituto de Ciências Policiais, da Universidade Lausanne, na Suíça. Estando Espinoza esta a trabalhar para identificar os factores de um dedo falso baseando-se na forma como as espirais da impressão digital são distorcidos pelos diferentes tipos de moldes usados ​​para as produzir. As impressões de gel são feitas a partir uma impressão directa ou usando uma fotografia de uma impressão para fazer um molde. Ambos os métodos podem produzir indicadores espaçamentos entre sulcos e rugas que marcam a impressão como uma falsificação, estando também a desenvolver um algoritmo que detecta essas falsificações.


Enviar um comentário