Pós-processamento 3D

A saída de dados 3D de um digitalizador 3D após a digitalização de um produto é normalmente em forma de pontos ou de malha de polígono, as aplicações de pós-processamento 3D permite aos utilizadores limpar os dados de uma digitalização 3D e/ou transformar os dados num propósito final ou pode ser para visualização, testes e simulações podendo ainda recorrer a engenharia reversa através de fresagens CNC, ou inspecção 3D.
Por que alguém precisa de uma aplicação de pós-processamento 3D quando o próprio digitalizador 3D inclui aplicações que permitem tratar os pontos 3D?
Uma óptima maneira de demonstrar isso é usar a fotografia como um exemplo. Uma câmara fotográfica e um digitalizador 3D se comportam de forma semelhante, porque ambos são equipamentos utilizados para adquirir informações e dados do mundo real. A câmara fotográfica é utilizada para tirar fotografias enquanto um digitalizador 3D tira pontos num espaço 3D de objectos do mundo real. A câmara fotográfica possui algumas funcionalidades básicas de edição para fazer edições de fotografias, como corte ou redução de olhos vermelhos, mas se no entanto se uma pessoa quiser usar recursos avançados de edição para editar fotografias essa pessoa precisará usar uma aplicação de pós-processamento como o Photoshop.
No Photoshop uma pessoa pode aumentar as fotos através da fixação de manchas, adicionar efeitos, filtros, ou até mesmo adicionar elementos às fotografias que não existem no mundo real. O mesmo também se aplica a digitalização 3D, pelo que um digitalizador capta as medições em 3D de um objecto e recria a informação na forma de pontos 3D, e normalmente esse digitalizador 3D vem com uma aplicação para gerir os dados adquiridos através do digitalizador 3D, e além disso os utilizadores podem às vezes fazer funções básicas de pós-processamento como seja a fusão e alinhamento das varredura, mas no entanto para uma edição mais avançada dos dados 3D como o orifício de enchimento ou construir outras geometrias em cima dos dados adquiridos, uma aplicação pós-processamento 3D será obrigatória para fazer esse trabalho.
Equipamento de aquisição de dados Exemplos de aplicações de pós-processamento                             (editores avançados de dados) 
Fotografia
 
 
Câmara fotográfica adquire dados 2D do mundo real Photoshop
Digitalização 3D
 
Digitalizador 3D, adquire dados 3D do mundo real Geomagic
Quais são algumas das características avançadas que estão incluídos na aplicação de pós-processamento 3D?
Uma aplicação de pós-processamento 3D faz limpeza de dados 3D rapidamente e de forma fácil pelo que estas aplicações estão especializadas para fazer esses tipos de tarefas, sendo que algumas destas características incluem:
• Ferramentas poderosas para editar mesh’s e a edição 3D para criar se modelos 3D de alta qualidade a partir dos pontos adquiridos através das varreduras no seu em estado natural.
• Análise de superfícies complexas através de medições volumétricas.
• A criação de superfícies CAD ou paramétricas.
• Relatórios automatizados e visualização da informação.
Para qualquer coisa mais do que tarefas básicas da digitalização 3D uma pessoa geralmente necessita de um de uma aplicação para o pós-processamento, essa aplicação 3D como pós-processamento tem que centra-se na transformação dos dados para aplicações específicas, por exemplo:
• O Leios facilita o processo de fusão de dados de digitalização e criação de superfícies NURBS.
•o Geomagic Studio facilita o processo de conversão de dados de digitalização 3D para sistemas de modelação CAD.
• O Geomagic Qualify especializa-se no fornecimento de ferramentas de inspecção para controle de qualidade em do modelo 3D.
O Geomagic Studio é uma aplicação de pós-processamento 3D para casos de engenharia inversa, não há um caminho directo para o tornar os dados no estado natural da digitalização 3D directamente para um modelo de 3D CAD modelável. Mas se for necessário uma inspecção 3D para o controlo de qualidade então o Geomagic Qualify poderá ser a aplicação adequada para a análise e medição 3D.
Pode-se descrever o processo da digitalização 3D com mais detalhes e sobre questões comuns para na engenharia inversa.
O que é a engenharia inversa?
A engenharia inversa refere-se ao processo de analisar a construção de um produto ou de um desenho técnico, quando não há documentos ou modelo CAD disponíveis a ou de sua produção original, a engenharia inversa pode servir a muitos propósitos, incluindo:
• A realização do desenvolvimento de um desenho similar ou o desenvolvimento de um determinado produto.
• Para a criação de adaptadores ou fixadores do produto original.
• Reproduzir uma parte existente.
O processo envolve a realização das medições do objecto com a utilização de um digitalizador 3D e em seguida utilizando os dados de 3D ​​para criar um modelo CAD 3D, sendo esse modelo CAD é num formato padrão para a sua manufactura.
Pode uma digitalização 3D de um objecto produzir um modelo de CAD 3D?
É um equívoco comum do processo de digitalização 3D é que o resultado directo é um modelo de CAD que pode importar em qualquer sistema de CAD, infelizmente este não é o caso, pelo que a saída directa de todos os digitalizadores ópticos é uma nuvem de pontos ou dados de uma malha de polígonos, a etapa de modelação CAD é necessita de um modelo geométrico sólido.
Peça digitalizada
Conversão para polígonos
Criação de superfícies
Adição de detalhes em CAD
Manufacturação
                    Digitalização 3D                       Dados adquiridos do digitalizador e processados
Se uma pessoa tiver uma aplicação certa e experiência a aquisição de dados ou pontos em nuvens de pontos diz tudo o que você precisa saber a fim de reconstruir um modelo em CAD, mas infelizmente os sistemas de CAD mais tradicionais de CAD, como o AutoCAD, Rhino3D, Solidworks, não são particularmente bons em trabalhar com este tipo de dados. Os varrimentos 3D de nuvens de pontos são óptimos de se trabalharem em programas como Geomagic, Rapidform XOR e Polyworks, porque estas aplicações são óptimos para conversão de dados de nuvens de pontos em modelos CAD.
Por que usar a digitalização 3D para este processo?
É difícil fazer medições de objectos com formas complexas e/ou orgânicas, pelo que é mais fácil e rápido realizar esta tarefa usando um digitalizador 3D, já que com este pode-se obter medidas de um objecto a partir dos varrimentos do digitalizador 3D muito rapidamente, enquanto uma máquina de medição coordenada (CMM) fornece apenas um número discreto de pontos, e embora muito precisos, ele não se compara com as informações adquiridas por varrimento que mostra como a forma fluida das superfícies.
O que uma pessoa vai modelar quando faz engenharia inversa?
Quando se digitaliza um objecto 3D toda a geometria da superfície é capturada, incluindo as imperfeições causadas pelo processo de fabricação e qualquer dano que o produto ou peça possa ter sofrido. Normalmente a peça será remodelado para capturar a intenção da peça ou do produto e ignorar as imperfeições. Existem algumas boas razões para isso, em primeiro lugar porque a modelação em cada único defeito pode ser demorado e portanto dispêndios, e em segundo lugar uma das principais razões para a engenharia inversa é refazer a parte. Portanto a exigência é a de criar uma peça de “perfeita” que representa a intenção da peça original do produto. Isso pode exigir uma compreensão detalhada da função dependendo da peça a ser modelada porque só então conseguirmos a intenção da interpretação correcta do desenho.
Em resumo a aplicação de pós-processamento 3D tem um conjunto muito mais completo de recursos avançados de edição quando comparado com a aplicação de digitalização 3D que vem com a compra de um digitalizador 3D.
Enviar um comentário