Impressão 3D rápida e precisa numa escala nano

IMAGEM01
Impressão de objectos tridimensionais como se vê na IMAGEM01 acima, com detalhes muito finos utilizando dois fotões litográficos pode agora ser alcançada às ordens de grandeza mais rápido do que dispositivos similares sendo um avanço pelos investigadores da “TU Vienna - University of Technology”.
O processo de impressão 3D utiliza uma resina líquida, que é endurecida precisamente nos pontos determinados pelo feixe de laser focado. O ponto focal do feixe de laser é guiado através da resina por espelhos móveis e deixa para atrás uma linha endurecida de polímero sólido com algumas centenas de nanómetros de largura.
Este progresso foi possível através da combinação de várias ideias novas, como o crucial melhoramento do mecanismo de direcção nos espelhos, pelo que os espelhos estão continuamente em movimento durante o processo de impressão e a aceleração e desaceleração têm períodos que têm de ser ajustados de forma muito precisa para alcançar resultados de alta resolução com uma velocidade recorde.
Para a impressão mais rápida de objectos grandes, a resina contém moléculas activadas pela luz do laser pelo que elas induzem uma reacção em cadeia em outros componentes da resina como os monómeros transformam-lhos num sólido, esses inibidores de moléculas são apenas activada se eles absorvem dois fótons do feixe de laser de uma só vez, e isto só acontece no centro do feixe de laser, onde a intensidade é mais elevada.
Em contraste com 3D convencionais de impressão de técnicas, material sólido pode ser criado em qualquer lugar dentro da resina líquida, em apenas uma vez de por cima da camada previamente criada, e assim a superfície de trabalho não tem que ser especialmente preparada antes da próxima camada e pode ser produzido rapidamente o que poupa muito tempo.
Devido à velocidade dramaticamente aumentada, os objectos muito maiores agora podem ser criadas num determinado período de tempo, isso faz-se com a litografia com dois fotons uma técnica interessante para a indústria.
Na TU Vienna, os investigadores estão agora a desenvolver resinas biocompatíveis para aplicações médicas podendo ser utilizados para criar andaimes a que as células vivas podem unir-se para facilitar a criação sistemática de tecidos biológicos. A impressora 3D também poderia ser usado para criar adaptar peças de construção feitas para a tecnologia de biomédico ou nanotecnologia
No vídeo, um carro de corrida com dimensões de 330x130x100μm3 é fabricado. A estrutura é constituída por 100 camadas, cada uma composta de uma média de 200 linhas de polímero. Está consumado em 4 minutos e assemelha-se ao modelo CAD original numa precisão de ± 1μm.
Enviar um comentário