Remover os humanos do processo de impressão 3D

Mesmo que as impressoras 3D possam de alguma maneira fazer todo o trabalho, os métodos actuais exigem muito do trabalho humano, especialmente depois que a impressora tem feito a peça origem, a remover e corte do material em excesso, a abertura de furos, e adicionar adicionais componentes ainda têm de ser feito à mão, e como resultado os projectos de fabrico em massa ou de fabrico pessoal ainda pode ser muito demorado e labroso mesmo com uma impressora a 3D.
A iRobot Corp considera que o esse pode ser o problema impedindo o futuro das impressoras 3D e a manufactura automatizada, por isso entrou com um pedido de patente para um totalmente automatizada de impressora 3D robótico para a manufactura, pelo que este tipo de sistema poderia terminar peças impressas sem intervenção humana, assim como também pode ser equipado para realizar o controlo de qualidade, reduzindo os riscos de muitos usando peças impressas como as peças roscadas que muitas vezes têm falhas.
3D printer iRobot

IMAGEM01
Este conceito de patente de um dispositivo de uma impressora 3D que termina partes sugere uma verdadeira máquina que faz tudo desprovida da interacção humana.
A impressora 3D utilizaria dois braços robóticos um como principal e outro secundário para determinadas funções durante o processo de fabricação. Esses manipuladores de seis eixos que movessem as peças em torno de extrusoras ou ferramentas pendurados acima. Estas ferramentas tratariam do aditivo ou do fabrico subtractivo como, fresagem, perfuração, e outros processos para a produção de um produto final.
A finalidade principal do braço principal é suportar a peça a ser impressa sob uma extrusora robotizada e depois movê-lo sob as diferentes ferramentas. O braço secundário poderia ajudar a escolher e colocar os componentes de hardware, testes de esforço, adicionar a cabos, e colaborar com o principal braço para orientar as partes em relação às ferramentas.
De acordo com o pedido de patente os utilizadores seriam capazes de produzir objectos de cerâmica, ABS, policarbonato, borrachas de silicone, borrachas de uretano, plásticos e compósitos, podendo utilizar a condução de metais com baixas temperaturas de fusão como o gálio em vez de fios.
Para melhorar a qualidade das peças impressas, iRobot propõe equipar a impressora com scanners ou câmaras que possam inspeccionar as peças para defeitos, os dois braços seriam capaz de mover a peça acabada e um scanner a laser ou câmara que poderia comparar dimensões do objecto às de um desenho CAD, garantindo a conformidade com as especificações. Estas ferramentas podem produzir dados para documentação e melhoria das etapas de impressão envolvidos na fabricação de uma peça. Sensores podem também certificar-se itens eléctricos estão funcionando correctamente e com segurança.
Uma vez que a impressora descrita pela iRobot iria automatizar o processo de impressão, que poderá fazer impressoras 3D mais atraente para fábricas de produção em massa de peças para venda ou para a reparação local de máquinas, e sendo um processo totalmente automatizado também poderia ser ideal para os empresários que tentam imprimir suas próprias peças acabadas, é claro que os militares adorariam colocar as mãos em inovações como estas, mas na verdade o departamentos de defesa do estado devem de trabalhar em conjunto com as empresas seja lado a lado em projectos destes. Nenhum anúncio oficial foi feito sobre quando poderemos ver esta impressora a ser vendida comercialmente, mas o pedido de patente sugere protótipos estão sendo construídas.
Enviar um comentário