Atualização de um programa enquanto a funcionar sem ter de parar

Atualizar os programas pode não ser um evento tão dramático num computador pessoal mas é uma verdadeira dor de cabeça para os técnicos que precisam manter servidores a funcionar 24 horas por dia e sete dias por semana, uma dor de cabeça tão forte que muitos deles não se arriscam a adotar todas as atualizações, sobretudo pelo receio do tempo que tem para as alterações e que pode ser um ganho, assim como o receio dos novos bugs que de vez quando vêm com as novas versões. Sendo assim é também mau para as empresas e serviços e utilizadores não atualizarem os programas porque ficam expostos a ataques com versões menos seguras e com maior vulnerabilidades cuja existência se espalha rapidamente.
Aplicações multi e convencionais
IMAGEM01
A IMAGEM01 mostra como é processada a instalação.
As aplicações multiversão talvez isso possam mudar com a eliminação das duas maiores objeções à instalação de atualizações, o fato de que um utilizador tem que parar o programa para atualizá-lo deixando o servidor ineficiente, e o receio de que uma atualização introduza novos erros.
A ideia genial foi apresentada por Petr Hosek e Cristian Cadar, do departamento de computação do Imperial College de Londres, foi que estes dois investigadores de com computação descobriram como usar os núcleos não utilizados dos microprocessadores “multicore” para tornar o processo de atualização de um programa invisível para o utilizador onde invisível significa que o programa não vai parar de funcionar durante a atualização.
Esquema de instalação multi core
IMAGEM02
Sempre que uma atualização estiver disponível o truque é deixar a versão antiga do programa a funcionar num núcleo assim o utilizador pode continuar a usar o programa durante a execução da atualização em paralelo que executa num outro núcleo do processador.
Quando a atualização acaba o sistema sincroniza a execução dos dois programas de tal forma que somente as rotinas mais confiáveis dos dois programas sejam executadas uma ideia que limita os danos causados por novos bugs, introduzidos pela atualização, assim o utilizador fica com aplicação multiversão, os programas funcionam paralelo e o seu comportamento é combinado de uma forma tal que aumenta a confiabilidade e a segurança geral, mas esta aplicação irá se parecer e se comportar exatamente da mesma forma para os utilizadores do programas.
Quanto ao medo da atualização de versões, os dois investigadores contam que desenvolveram o sistema depois de descobrir que até mesmo aqueles que deveriam mais se preocupar com o assunto frequentemente ignoram as atualizações dos programas. Assim como um estudo mostrou que 70% de uma amostra de 50 administradores de sistemas admitiu que nem sempre atualiza os softwares dos servidores por medo do tempo de inatividade que isso pode causar, e por outro dado revelado pelo estudo é que, segundo os administradores de sistema, 25% das atualizações de software introduzem novos bugs.
Enviar um comentário