Utilização dos seus próprios dispositivos na produção?

Ao longo dos anos com o avanço da tecnologia tem havido uma proliferação substancial de dispositivos móveis inteligentes, incluindo smartphones, tablets e computadores portateis. Os dispositivos móveis tornaram-se tão inteligente que eles podem gerenciar a maioria das necessidades de computação e aplicações previamente fornecidos pelo PC ou a tradicional workstation. Utilização dos seus próprios dispositivos na produção ou utilizar seu próprio dispositivo é uma prática em que os funcionários usam seus dispositivos móveis inteligentes pessoais, para executar o seu trabalho e cuidar da manutenção do dispositivo por conta própria e a empresa a reembolsar-lhos para o montante gasto em trabalho e nas licenças das aplicações para produção.
ipad
IMAGEM01
A empresa pode ou não pode dar origem a serviços de conectividade, mas terá que dar acesso à rede corporativa. A utilização dos seus próprios dispositivos na produção está lentamente ganhando força em diversas indústrias, tais como as empresa de informática empresas do sector público e outras empresas orientadas para serviços. À medida que o uso desses dispositivos inteligentes tem aumentado a necessidade de conectividade social e profissional durante vinte e quatro horas por dia. Funcionários de organizações modernas sentem que devem ser autorizados a conectar seus dispositivos pessoais às redes corporativas e gerir seu trabalho e vida pessoal, através do mesmo dispositivo ou dispositivos. As organizações também se sente deixar os funcionários usar os seus próprios dispositivos para reduziria os custos de manutenção dos dispositivos, compras e serviços, outras vantagens incluem o aumento da produtividade dos funcionários e a maior conectividade cria uma melhor colaboração global.
Neste post irá se discutir brevemente o conceito da utilização dos seus próprios dispositivos na produção e suas implicações na Produção, a utilização dos seus próprios dispositivos na produção, tanto como conceito e prática, assim como a sua receção e o seu impacto profundo nos serviços da indústria. Bastantes empresas em mercados desenvolvidos e emergentes, estão a aceita mais este facto. No entanto, existem os prós e contras que devem ser considerados, a partir de um ponto de vista organizacional e a utilização dos seus próprios dispositivos na produção está em causa.
Para os funcionários as vantagens de usar seus próprios dispositivos são muitas, primeiro eles começa a escolher o dispositivo que querem, e têm a flexibilidade para aceder e realizar atividades relacionadas com o trabalho na sua conveniência e que eles não precisam fazer malabarismos entre os dispositivos. No entanto existem desvantagens igualmente convincentes para os funcionários também, eles são responsáveis ​​por qualquer perda ou roubo de dados da empresa a partir de seus dispositivos pessoais. Em caso de furto, extravio ou conduta suspeita, há hipóteses de serem todos os seus dados completos, tanto pessoais como laborais podem ser apagado de seus dispositivos. Então antes de concordar na adoção da utilização dos seus próprios dispositivos na produção, os funcionários necessitam de considerar estes espetos positivos e negativos e entender a política da empresa de forma bastante clara.
telemovel
IMAGEM02
Para as empresas as considerações a serem feitas antes, durante e após a implementação da utilização dos seus próprios dispositivos na produção são muito mais profundas do que para qualquer trabalhador individual. Ambas as vantagens e os riscos são bastante claros para as empresas onde a utilização dos seus próprios dispositivos na produção está em causa. No entanto, a decisão final para implementá-lo, geralmente depende do trade-off entre estas vantagens e os riscos. Para cada segmento da indústria o grau de risco e o potencial de lucrar através de da utilização dos seus próprios dispositivos na produção irá variar drasticamente. Em organizações onde a perda ou roubo de informações privilegiadas ou proprietárias podem levar à erosão da vantagem competitiva, o risco em relação a possíveis retornos seria maior. Tais empresas gostariam de evitar a utilização dos seus próprios dispositivos na produção, ou implementá-la em capacidade limitada. Nas empresas que agregam valor através de uma melhor conectividade/colaboração, maior mobilidade, maior produtividade de cada funcionário e quer aproveitar o enorme potencial de redução de custos da utilização dos seus próprios dispositivos na produção o risco é compensado pelas vantagens.
Além desses dois pontos de vista extremos sobre a utilização dos seus próprios dispositivos na produção há uma terceira e mais no meio da linha da solução onde a utilização dos seus próprios dispositivos na produção é oferecida aos empregados com base nas suas funções e sua atual posição na hierarquia. Isso ajuda a limitar o risco e ainda colher os benefícios de redução dos custos, maior produtividade e mais mobilidade. Para as empresas que eventualmente optem pela utilização dos seus próprios dispositivos na produção, é imperativo definir uma política clara e rigorosa para todos os funcionários. É muito importante para definir quem é responsável por o quê e se vai violar alguma questões de política. Políticas claras irão ajudar os funcionários a fazer escolhas bem informadas e isentará as empresas de todos os problemas indesejáveis​​, especialmente no que refere à privacidade e perda de dados.
Nas empresas de produção é apresentado um grande desafio para os profissionais e defensores do utilização dos seus próprios dispositivos na produção, como essas organizações são múltiplas camadas na estrutura e há uma enorme quantidade de informações confidenciais e de propriedade intelectual em jogo, existe uma ameaça clara e evidente para organizações de produção quando se trata da utilização dos seus próprios dispositivos na produção. Por exemplo se considere as implicações de um evento onde a fórmula secreta ou receita de um dos principais produtores de bebidas é roubada através do furto de um dos dipositivos do funcionário. Essa perda de propriedade intelectual pode ser potencialmente devastador para uma empresa, mesmo vazamentos menores pertencentes ao processo de produção ou de informações triviais sobre pequenos ajustes em determinados equipamentos ou máquinas podem levar a perdas substanciais.
Este maior grau de risco pode levar as empresas na não implementar a utilização dos seus próprios dispositivos na produção inteiramente. No entanto para a maioria das empresas a terceira abordagem discutida acima pode vir a ser uma solução ideal. Geralmente existem três abordagens para a transferência de informações e acesso ao dispositivo da utilização dos seus próprios dispositivos na produção. A primeira em que os dispositivos dos funcionários têm acesso aos aplicativos corporativos virtualmente e nenhum dos dados está realmente no dispositivo do empregado, isto é mais seguro, mas não existe qualidade de experiencia do utilizador. Em segundo lugar os dispositivos dos funcionários podem ter acesso aos dados da empresa, mas a informação corporativa é filtrada e codificada por diferentes aplicações, no próprio dispositivo do funcionário, esta abordagem tem uma boa segurança e a experiência do utilizador é aperfeiçoada. Finalmente a terceira abordagem permite aos funcionários o acesso completo e irrestrito aos dados corporativos, aqui o padrão mínimo de segurança ainda tem de ser cumprida. Em todos os três cenários a empresa geralmente se reserva o direito de descontinuar o serviço da utilização dos seus próprios dispositivos na produção e apagar todos os dados de um dispositivo do funcionário em caso de qualquer evento suspeito ou infeliz.
Para as empresas de produção a abordagem ideal para a utilização dos seus próprios dispositivos na produção seria fornecer acesso restrito e controlar ativamente as informações corporativas nos dispositivos dos funcionários. Num ambiente de produção típico além de correio eletrónico e calendários, existem aplicativos como o sistema integrado de gestão empresarial ou sistemas de execução da produção no local e alguns funcionários pode precisar do acesso a todas as aplicações acima nos seus dispositivos. A melhor abordagem seria a de definir claramente três aspectos relativos à utilização dos seus próprios dispositivos na produção; primeiro para um determinado funcionário que necessite de grande mobilidade qual o nível de acesso deve de ser atribuído a esse funcionário; segundo decidir qual o nível que os funcionários podem aceder e qual o nível de informação nas aplicações, tais como o sistemas de execução da produção; terceiro o que acontece se os dados são perdidos, roubados ou apagados, quem é responsável e o que curso de ação deve ser tomado, por exemplo para os operadores de máquinas, a necessidade de fornecer o serviço de utilização dos seus próprios dispositivos na produção é mínima como sua presença física nas instalações é obrigatório para a execução do trabalho. Para um técnico comercial de vendas no entanto a utilização dos seus próprios dispositivos na produção é muito mais benéfico, o que precisa ser decidido aqui é a quantidade de informações que ele/ela tem permissão para aceder do dispositivo pessoal. Estas abordagens podem ajudar as empresas a desfrutar dos benefícios da utilização dos seus próprios dispositivos na produção, limitando o fator de risco.
Um artigo recente da Deloitte aponta que apenas nos EUA 45% organizações têm políticas de utilização dos seus próprios dispositivos na produção e 69% diz que não teve problemas técnicos ou desafios de suporte relacionados com a sua implementação.
Isso significa que a utilização dos seus próprios dispositivos na produção está aqui para ficar. Mas continuará a ser um desafio para as empresas de produção, especialmente se eles não conseguem definir os parâmetros descritos acima. Existem enormes vantagens, mesmo em ambientes de produção altamente regulamentados. A única coisa necessária é uma aderência é uma politica solida e infalível com rigorosas diligencias na política durante a implementação e a prática da utilização dos seus próprios dispositivos na produção.
Enviar um comentário