Desenho técnico e a ciência e os seus problemas (parte2)

Continuação - http://rishivadher.blogspot.pt/2014/06/desenho-tecnico-e-ciencia-e-os-seus.html
Tenho visto assim como errado nalgumas resoluções de problemas talvez porque queria fazer o ponto que se identifica num processo que é normal para o desenho e em todos os lugares reconhecido como distinto dele e decorre apenas das consequências de finitude incluindo a ignorância como uma manifestação de epistêmica finitude para o método racional. Ele não requer quaisquer divergências normativas entre clientes ou autoridades nem qualquer contexto social, em vez disso é uma estrutura puramente cognitiva que enquadra qualquer resolução de problemas sob restrições de finitude.
Para fazer o ponto, observe que a função acima tem um análogo exato no próprio método científico, este corre por exemplo sempre num determinado conjunto de dados que têm duas ou mais possíveis explicações teóricas diferentes das opções do desenho mas com recursos limitados de investigação que tornam impraticável a investigação de inteiramente todas as possibilidades e foi por exemplo inicialmente e não está claro se a síndrome da fadiga crónica foi causada por uma bactéria ou vírus um fungo ou bolor mas em cada caso talvez profundamente embutido no tecido ou devido a uma condição psico somática com qualquer uma destas opções difíceis e recursos exigente para prosseguir. Então assim como com o desenho torna-se a questão em que algumas destas possibilidades e que atualmente mais vale a pena perseguir em que formas específicas. Várias opções serão desenvolvidas com mais detalhes e as suas demandas e riscos de recursos analisados e seus méritos enunciados para consideração. Durante esse processo será desenvolvido versões mais específicas do problema geral inicial alguns deles por exemplo, a opção de psico somática talvez exige uma reformulação significativa de qual é o problema e quais os critérios que uma solução seria necessário de atender.
Um debate crítico irá desenvolver se sobre essas opções o resultado é que um ou dois deles serão seleccionados para propostos talvez por laboratórios individuais talvez como empreendimentos cooperativos. Após os resultados dessa fase todo o processo pode ser repetido uma e outra vez até que uma explicação satisfatória emerge dentro dos recursos disponíveis da investigações. Podendo ser feitos gráficos que directamente se aplicam à ciência assim como ao desenho.
Foi Popper que evidenciou os fundamentos da ciência não são ancorados em verdades comprovadas, mas em vez direccionados para um pântano de possibilidades apenas profundo o suficiente para alcançar a estabilidade suficiente para continuar a investigação. Não é de surpreender que o mesmo processo metodológico aparece na ciência também pois como mencionado acima deriva unicamente da racionalidade diante da finitude. Em suma as diferenças cognitivas aqui entre os processos cognitivos do desenho e ciência são mínimas e as questões não interessam.
Isto torna-se ainda mais claro e comum sempre que os investigadores se aventuram em novos territórios inexplorados, por exemplo a partir de Newton em desbravar novos territórios relativísticos ou quânticos ou onde os investigadores estão fundamentalmente reavaliando anteriormente ao território explorado como por exemplo, re-explorar embriologia em termos de bio-sintético celular de formas diferentes de caracterizações macro-fisiológicas anteriores em suma, quando sempre que os investigadores estão envolvidos na investigação profunda ou revolucionário. Confrontado com os dados discretos anômalo inicial espectral que leva à teoria quântica os investigadores primeiro tentam várias abordagens newtoniana e quase-newtoniana para a compreensão dos dados até mesmo ao ponto de desistir de conservação de energia para preservar a concepção newtoniana geral, antes de a teoria quântica padrão foi provisoriamente aceita. Não só existe a exploração de opções acessíveis há também a questão de métodos apropriados, como por exemplo na transição do newtoniana a mecânica quântica, os métodos de medição de Newton são revelados para transportar erros residuais ineliminável pequenas e medições newtoniana complementares tornar-se mutuamente excludentes na teoria quântica, regido pelas relações de incerteza. Assim desenho é necessário na busca de problema e solução de e opções de método, e a requisição do tratamento desta situação os investigadores vão pedir o mal definido, mal estruturado e a situação assume uma estrutura e em seguida ele promete trazer uma solução para o problema original. É evidente a partir de tudo isso que os problemas que os cientistas enfrentam não são problemas domésticos que só exigem manipulação matemática assíduo e rigoroso para resolver em vez disso os seus problemas são exactamente como o problema da pobreza, existe a este respeito há diferença inerente entre o processo entre os reinos da ciência e do desenho.
A única diferença entre ciência e o desenho é que na ciência esses problemas e seus processos de resolução pode ser transmitida através de muitas instituições e indivíduos e evoluir lentamente em conjunto, enquanto no desenho é mais comum para uma acção individual ou uma pessoa assumir tais investigações embora existam também concursos públicos que envolvem vários órgãos e existe um aprendizagem comum indireta através da adaptação dos currículos do ensino superior e similares, estas diferenças não são triviais para a grande maioria, e os colectivos da expressões culturais com características do desenho e ciência o que se observa nos locais, como parte podemos considerar os papéis das normas nas duas atividades. O ponto aqui é que independentemente das diferenças eles não alteram o processo de desenho e ou investigação cognitiva envolvida.
Esta análise coloca a função firmemente como o primeiro erro do problema básico de finitude, é possível porém que alguns leitores e talvez consigam tirar a partir do exemplo da pobreza e consideram que a questão primária diz respeito conflito normativo do desenho versus nenhum na ciência. Em resposta que fazer três breves observações: (i) mesmo que a diversidade normativa está envolvida no exemplo da pobreza essa leitura é inadequado porque perde o principal significado cognitivo da função i, (ii) a interpretação ainda está sob nossos três básica condições mas agora sob a normatividade e (iii) como mencionado acima trato as questões normativas em outros lugares onde se argumentar que eles não dividem o desenho da ciência em termos de seu processo cognitivo núcleo.
ii. Problemas maus não têm regra de paragem
Uma razão para isso segue imediatamente da função # i: desde qualquer solução para um problema de desenho surge como uma construção menos satisfatório dos dados dos recursos finitos e segue-se se for dado um aumento de recursos então podemos sempre investigar o problema mediante o método e o espaço de forma mais eficaz para opções mais promissoras e ou melhorar a solução do desenho para as opções exploratória das soluções. Por isso é sempre possível melhorar uma dada solução dum determinada desenho, este é um recurso cognitivo importante do processo do desenho em geral e das soluções dos problemas ímpios em particular. Mas é igualmente verdade obviamente da ciência como do desenho e exactamente pelas mesmas razões, é sempre possível melhorar uma dada solução científica. Em ambos os casos encontra-se em contraste com o domar dos problemas onde as soluções são chegam num número finito de passos e estão completos.
Mas existe não um mas três motivos para a função # ii, sendo que acima é essencialmente a primeira, “processo de resolver o problema é idêntico ao processo de compreensão de sua natureza". Na ausência da diversidade normativa isso resume-se ao fato de muitos problemas possíveis e método e opções de solução para explorar, essa concepção domina a sua discussão. A segunda razão dada é "que não há critérios para uma compreensão suficiente". Se isso é porque somos ignorantes de como formula-las até que compreender melhor o tópico, então é outro aspecto da primeira razão que é enfaticamente compartilhada com a ciência. Considere a mecânica de Newton e do periélio de Mercúrio; não foi até Maxwell havia formulado a teoria do electromagnetismo e os matemáticos e os experimentalistas aguçara o conflito entre esta teoria e a mecânica que era possível para Einstein formular a teoria da relatividade como principalmente uma cinemática, não dinâmico e fornecer uma explicação revolucionária para a rotação periélio. Isso também mostra que o tempo não pode ser apenas devido a factores pragmáticos "locais", mas pode derivar de nossa condição de desenvolvimento histórica assim como no desenho. Alternativamente poderia ser tomado como argumento de que a ausência duma regra de paragem deriva da selecção baseada num norma que não resolutiva e que compete com problema e método e opções de solução e a opção da dependência de critérios de solução. Assim as duas primeiras razões para a função # ii são redutíveis a um ou outro finitude ou normatividade.
A terceira razão é "porque não há fim às cadeias causais que ligam à interacção de sistemas abertos.", esta é uma questão separada onde está prevista uma decisão de planeamento como sendo aplicada num sistema que está em interacção mútua com vários outros sistemas, como por exemplo uma modificação do sistema de transporte de uma cidade como a instalação de luzes ou uma nova ponte estas interagem com as decisões económicas sobre o custo do público contra o transporte privado e com as decisões sociais sobre a segurança e a privacidade de cada um. Mas têm se ter em mente que as decisões dentro de cada uma destas incluindo as respostas para o transporte de decisões do desenho, igualmente reagir à volta no fluxo de tráfego dentro do sistema de transportes e assim por diante num fluxo interminável de respostas mútuas. Nestas circunstâncias pode-se concluir que as consequências de decisões em qualquer sistema faltará limites bem definidos assim também deverá de haverá critérios de solução bem definidas para os problemas de transporte. Pela mesma razão vários problemas têm escopos que se sobrepõem de modo que nenhum deles pode ser combatida sem afectar todos os outros. Um desenho de transporte público modificado irá alterar actividades comerciais e de lazer, sócio económico como a estratificação e segregação e portanto a natureza e a distribuição da demanda médica e actividade criminosa, e assim por diante.
Esta terceira razão se resume ao facto de que os planeadores e desenhadores lidam com sistemas complexos mas na minha ignorância das cadeias causais complexas em tais sistemas torna extremamente difícil chegar a soluções ideais pelo qual podemos julgar que o problema foi resolvido e podemos parar mais investigação mas esse recurso é claramente compartilhado com a ciência. A ciência têm vindo a abordar a questão dos sistemas complexos para muitas décadas como por exemplo os cientistas do clima desenvolveram sofisticados teorias e metodologias que têm permitiu uma compreensão cada vez mais profunda do sistema aberto interagindo que é o clima da Terra. No entanto ainda estamos longe de ter um estabelecido ciência do clima e as grandes descobertas ainda estão a ser feitas como por exemplo a identificação do dipolo do Oceano Índico iniciou à pouco mais de uma década atrás e é incerto no momento se gostaríamos de reconhecer uma ciência do clima mesmo que já tivemos resolvido o problemas. Esta razão deixa a função # ii firmemente dentro da nossa condição dois a complexidade. Em conclusão das razões que se tomam para a sua tomada de erros a função # ii reduz a uma ou outra das três condições e não para dividir concepção da ciência.
iii. Soluções para os problemas maus não são verdadeiro ou falso, mas de bom ou mau.
O texto escolhido aqui é ambíguo, uma leitura é que as soluções para problemas complexos não são exactas e completos por exemplo ideal mas suficientemente boas ou maus aproximações para exigir soluções completas. Neste caso o recurso teria seguido do recurso #i e foi explicável em termos de finitude ou complexidade ou ambos. Além disso aplica-se igualmente à ciência como ao desenho. De fato uma ciência imatura incluindo uma ciência madura passa por uma mudança revolucionária, e será que sou capaz de atribuir o planeamento social, não há até agora nenhuma base estabelecida para experiências deste paradigma em que as intervenções terão consequências inesperadas e testes praticamente realizáveis muitas vezes têm a sua validade ou força re-avaliada como conhecimento desenvolvido. Nestas circunstâncias cientistas comummente falar de teorias e testes sendo mais ou menos de boa ou más, ao invés de verdadeiro ou falso. Isso porque o rastreamento de erros está em primeiro plano, não é até uma ciência madura e resolvida emerge com uma metodologia estabelecida e tecnologias de suporte que são comum falar a verdade e falsidade, e objectividade. As diferenças entre disciplinas imaturas e maduras e do domínio do desenho são importantes, mas não fazem distinção entre ciência e o desenho, ao contrário lembram-me que em ambas as ciências maduras e os domínios do desenho maduro lá foram e que pelo menos alguns problemas uma vez perversos que foram resolvidos e transformados em problemas domésticos.
No entanto o foco do texto sugere que a leitura pretendida vez deve estar da seguinte forma por causa da diversidade normativa em avaliação e não existem critérios de avaliação acordados pelo que as soluções para dos problemas maus não estão corretas ou incorrectas e julgar para concordar com critérios de avaliação mas variavelmente boa ou má de acordo com as normas que estão a ser utilizadas. Várias partes julgarão qualquer solução oferecida e os seus juízos são provável que nas diferenças podem estar de acordo com seu grupo ou interesses pessoais o seu conjunto de valor especiais, e as suas predições ideológicas. Se isto está certo então este recurso de erros cai claramente sob condição três da normatividade. De qualquer maneira característica # iii é explicada por uma ou outra das condições.
iv. Não existe nenhum teste imediato ou final de uma solução para um problema corrupto.
Isto pode ser entendido como um caso especial da função # ii, terceira razão em que as consequências são temporariamente estendidas de decisões e estão confinados a um único sistema. A resposta que é também aplicável aqui, ou pode ser lido como uma versão da função # ix (abaixo) e nossa resposta não se aplica aqui.
v. Cada solução para um problema corrupto é uma operação de um único tiro porque não há oportunidade de aprender por tentativa e erro a cada tentativa conta significativamente.
Apesar de assumir-se alguma tentação pelo que isto não é apenas uma outra versão da função # iii ou # iv. Em vez disso como a função #ii terceira razão introduz ainda uma outra na consideração metodológica a caminho-dependência adicional e significativa para além daqueles discutidos em função # i.
Sempre que as acções sejam efectivamente irreversível e sempre que as meias vidas de consequências são longas, todas a tentativas contam, e cada solução implementada é uma consequência, pelo que deixa-me de rastros e que não pode ser desfeita. Não se pode construir uma autoestrada para ver como esta funciona e depois facilmente corrigi-la depois de um desempenho insatisfatório. E para o tipo de exemplos de planeamento social pode-se ter em mente o estado do sistema do julgamento perturbado irá global ser geralmente divergem cada vez mais ao longo do tempo e a partir do estado do sistema imperturbável. No caso expresso acima as mudanças nos padrões de condução e atitudes por exemplo das expectativas dos tempos de viagem, planeamento de negócios e escola de negócios, etc. induzida pela construção da via expressa vai continuar a alterar o comportamento social global de formas que normalmente dirigem-lho numa direcção diferente daquele que teria sido levado pela via expressa que não tinha sido construída.
Em suma a trajectória de desenvolvimento da sociedade e a determinada sequência de estados que atravessa o tempo, terá sido alterada, e o desenvolvimento das trajectórias deste tipo são comuns das sociedades e das pessoas através das ecologia e de organismos de todos os tipos para a terra geologicamente e finalmente o próprio cosmos, como por exemplo como se sabe um único evento traumático na infância podem ter consequências permanentes para uma pessoa e coloca-los em um curso de lidar distinto para a sua personalidade e os recursos que marca toda a sua vida. Da mesma forma para as experiências positivas são muitas vezes reforçadas num comportamento hesitante ou criar uma atracão para as suas circunstâncias, que marca o resto da vida. Desta forma a vida da pessoa são altamente original e não há duas pessoas iguais. Todos os tipos de sistemas mencionados acima mostram fortes trajectórias de desenvolvimento sensíveis ao contexto ou dependentes no caminho deste tipo.
Os problemas que se colocam com a metodologia de desenvolvimento de trajectórias sensíveis no contexto que deriva principalmente da sua irreversibilidade e da sua longevidade mas também a partir da sua singularidade e da irreversibilidade combinada com a longevidade que significa de fato do comportamento hesitante ou criar uma atracção para as suas circunstâncias que marcam o resto da vida. Desta forma a vida da pessoa pode ser altamente original e não havendo duas pessoas iguais. Todos os tipos de sistemas mencionados acima mostram fortes trajectórias de desenvolvimento sensíveis ao contexto ou dependentes do caminho deste tipo.
Os problemas que se colocam com a metodologia de desenvolvimento de trajectórias sensíveis ao contexto derivam principalmente da sua irreversibilidade e longevidade mas também a partir de sua singularidade e a irreversibilidade combinada com longevidade significa de fato que nenhumas sequências de intervenções são sempre realizadas em condições reproduzíveis, um problema reconhecido na função # ii, terceira razão. Isso não precisa ser em si um problema se os impactos das intervenções passadas pode ser medido e descontado ao quando se avalia as intervenções posteriores. No entanto onde a complexidade interactiva torna impossível os efeitos separados desta técnica de correcção não pode ser exacto mas apenas produzir aproximações e estimativas de sensibilidade para a importância das incertezas residuais. Todos estes últimos métodos foram desenvolvidos numa ciência onde os mesmos problemas se repetem no estudo de sistemas complexos de geologia para a ecologia. Estas considerações colocam claramente esta característica da corrupção sob complexidade.
A singularidade das trajectórias de desenvolvimento ao qual as trajectórias sensíveis ao contexto tipicamente são levas então coloca desafios metodológicos adicionais porque é evidentemente impossível usar dados empíricos passados para prever indutivamente futuros estados de desenvolvimento uma vez a inter-relações futuras e antigas hipóteses que sejam únicas e também impossíveis de generalizar-se entre os grupos de tais trajectórias. Assim é aparentemente impossível projectar ou planear de uma forma que se reunirá de forma confiável um indivíduo que precisa ou necessidade pessoal, mas novamente, notamos que a ciência enfrenta os mesmos problemas, sempre que tais sistemas complexos são estudados, em resposta ela emprega três tipos básicos de estratégias. A primeira é a de explorar transições repetidas. Por exemplo embora haja somente uma terra a ser usada para estudar a geologia terrestre que têm vindo a agravar-se assim como o problema da generalização que podes ser duvidoso e sofrer de transições intimamente relacionadas muitas vezes mais como o vulcanismo erosão e deriva continental. Isto permite que estes processos sejam estudados pela maneira habitual científica. A segunda é a de explorar os modelos subjacentes da dinâmica das internações que a física e a química fornecem. Assim embora a ferrugem e o fogo se manifestam de forma diferente que ambos são processos de oxidação a nível molecular, isso proporciona uma mudança no tecido dos processos dinâmicos estabelecidos interrelacionando os processos de desenvolvimento. Finalmente em terceiro lugar é possível hoje em dia para construir modelos sistemas complexos de classes depende do desenvolvimento das trajectórias com um único caminho que revela a estrutura de possibilidades para estes sistemas e por isso identificar empiricamente pequenas classes de trajectórias em que um especial trajectória cai e portanto tenta-se aproximar essa trajectória. Estes métodos não inteiramente removem a barreira da singularidade mas eles são substancialmente moderados em diferentes graus e em vários campos e substancialmente suficiente para tentar estabelecer a ciência da geologia terrestre mas em menor grau, em domínios onde a variação individual pântanos e dos sistemas médios a longo prazo, os processos relativamente inacessíveis em execução como por exemplo na psicologia humana.
No entanto interessante para estes problemas podem estar em si mesmos e o ponto relevante aqui é que a ciência enfrenta claramente estes problemas decorrentes em como lidar com sistemas complexos da mesma forma como o desenho lida, em conclusão a função # v é explicável em termos de condição dois.
Continuação - http://rishivadher.blogspot.pt/2014/07/desenho-tecnico-e-ciencia-e-os-seus_22.html 
Enviar um comentário