Desenho técnico e a ciência e os seus problemas (parte3/3)

vi. Problemas maus não são enumeráveis ou não são exaustivamente descritos como um conjunto de potenciais soluções potenciais, nem existe um conjunto bem descrito de operações admissíveis que podem ser incorporadas nos planos de ação.
Este recurso de erros é apenas a questão da finitude que são discutidos sob recurso # I: normalmente na busca de um problema de planeamento corrupto, uma série de potenciais soluções surge e outro hospedeiro nunca é pensado, em seguida é uma questão de julgamento que se deve-se tentar ampliar no conjunto disponível ou não. E é naturalmente que a questão de julgamento para estas soluções devem ser prosseguidos e implementadas, apenas assim é que é exatamente científico. E só estas atividades quebra-cabeças sobre a ciência madura vai ser a interpretação da investigação científica e depois apenas na medida em que não é perturbado por erros ou incompatibilidades decorrentes de oculto externo. Uma ciência imatura seja uma ciência num novo domínio ou um emergente de uma revolução num antigo domínio e não terá um conjunto enumerável de possíveis soluções para os problemas para isso é o que faz-se com uma disciplina imaturo. Nem haverá um conjunto bem descrito do permitido métodos pelo que estes também serão debatidos numa ciência imatura. Assim imaturidade da estrutura da ciência terá o personagem que como eu que atribuiu planeamento a social, e este recurso de corrupção é totalmente explicável em termos de cada pessoa comum
vii. Todo o problema corrupto é essencialmente único.
Mas por ser essencialmente único quer-se dizer que apesar de uma longa lista de semelhanças entre um problema atual e anterior que sempre pode ser uma propriedade distintiva adicional que é de extrema importância. Observando que na ciência incluindo na engenharia o ideal sugerido por classes de equações diferenciais é o da obtenção de caracterizações paramétricas das classes de dinâmica e devesse salientar que este se torna menos possível com o escalar da complexidade, posso acrescentar especialmente em sistemas cujo comportamento é regido por muitas interações fracas ao invés de uns poucos fortes e onde existem longos períodos dos processos dependentes do caminho em execução. No mundo mais complexo de planeamento da política social cada situação é suscetível de ser única. Se estiver certo quanto a isso a transferência direta do físico-ciência e engenharia pensado da mesma maneira que a política social poderia ser disfuncional ou seja positivamente prejudicial. As soluções podem ser aplicadas a problemas aparentemente familiares que são bastante incompatíveis com eles, mas enquanto tudo isso é verdade as barreiras não deve ser sobrestimadas tipo as técnicas usadas em geofísica podendo ser consultado na função # v acima, o que significa que muitos interações de componentes pode ser generalizada com sucesso pelo menos em certa medida e modelos gerais de sistemas complexos ainda oferecem uma visão aprofundada deste tipos de dinâmica com as suas possibilidades de modelação concomitantes como por exemplo a modelação paramétrica de um atractor estranho apesar do comportamento caótico que suporta e assim por diante. A estas questões estão outros aspetos associado com sistemas complexos., o ponto importante para o propósito aqui é que como na função # ii, nenhuma destas considerações divide a ciência do desenho: estas questões são igualmente verdadeiras de modelação científica como de formação do desenho de qualquer sistema complexo, como por exemplo a ciência modelação enfrenta o problema que para sistemas sensíveis às condições de que é sempre possível que as interações fracas até então fazendo pouca diferença para a dinâmica global do sistema e que podem portanto ser negligenciado a uma boa aproximação, pode no entanto ao entrar num novo domínio de sensibilidade, e tornam-se um fator determinante. Tomar decisões razoáveis sobre o que compromisso de modelação científica e um desenho adequado para um sistema parcialmente desconhecido é uma parte do processo de discussão busca subjacente crítica de promissores problema e métodos e possibilidades de soluções discutidas em função # i. Assim característica # vii é redutível às condições de um e dois.
viii. Cada problema grave pode ser considerado um sintoma de um outro problema.
Pode-se afirmar que a remoção dessa causa do original problema coloca um outro problema de que o problema original é um sintoma, este recurso pode ser interpretado de duas maneiras gerais. Em primeiro lugar poderia ser interpretado como uma progressão sem fim uma progressão que pode ser lido tanto horizontal ou vertical. Lê-lo horizontalmente produz uma regressão de meios ao método uma proposta de solução para o problema inicial aquele que remove a sua causa envolve trazer sobre a condição X como a eliminação de algum tipo de crime pode por sua vez necessitam de fornecimento de polícia; mas a aquisição de X por sua vez requer trazendo Y como policiamento por sua vez tem orçamento e planeamento e consequências e a aquisição de Y, por sua vez e assim por diante. Isso é verdade mas é verdade até um determinado grau de qualquer tipo de problema e não apenas iníquos. E certamente igualmente verdadeiro para os problemas científicos. Compreender plasmas quentes exige as capacidades de criar e conter gases a um milhão de graus e os instrumentos para sondar os seus interior mas estes por sua vez tampouco se houvesse qualquer escrúpulo sobre reivindicações a regressão é infinita, que esses escrúpulos ser menos apropriado para a ciência do que para desenho. Portanto esta característica de problemas maus não vai dividir a ciência desde da concepção ou até mesmo problemas de maus da maioria dos outros. Ele simplesmente expressa outro especto da finitude de qualquer situação humana a condição um. Lendo a progressão vertical produz uma regressão de problemas que se tornam cada vez mais geral, e voltando ao exemplo do crime e eliminando alguma forma de crime por sua vez pode ser visto como parte de um problema maior de aliviar a pobreza e este por sua vez visto como parte da remoção de condições de vida adversas e assim por diante. Isto também é certamente uma característica da prática decisões de projeto e de qualquer projeto decisão em grau mau ou não é igualmente uma característica de investigações científicas.
Compreender plasmas quentes exigem compreensão, por sua vez como gases ionizados interagir internamente mas esta por sua vez requer a compreensão de como os eletrões e iões interagem em geral e este por sua vez requer a compreensão de como as forças se comportam em escalas atômicas e altas temperaturas e por sua vez. Tanto no crime e os casos de plasma existem dúvidas sérias sobre a alegação de que a regressão é infinita uma vez que em ambos os casos subimos em algumas etapas para questões muito gerais além de outras questões que parecem mais associados do que horizontalmente genuinamente mais generalizada. Definindo este lado esta característica vertical de regressão de problemas maus também não vai dividir a ciência, desde a concepção ou mesmo dos maus problemas da maioria dos outros e simplesmente expressa outro especto da finitude de qualquer situação humana a condição um.
No entanto não levantar uma consequência prática interessante da disponibilidade de vários graus verticalmente ordenada de generalidade qual o grau de generalidade é melhor para a formulação de um dado problema, quanto maior o nível de formulação de um problema o mais amplo e geral torna-se quanto mais difícil se torna para fazer algo sobre isso. Por outro lado não se deve tentar curar os sintomas e portanto deve-se tentar resolver o problema num nível tão alto quanto possível, isto parece certo e como se nota a questão é reforçada pela insatisfação geral de qualquer política metodológica extrema de perseguir generalidades grandiosos que são suscetíveis de ser autodestrutivas, a menos e até que grandes quantidades de conhecimentos de menor escala foram acumuladas enquanto prossegue apenas o menor detalhe do incrementalíssimo é a mesma probabilidade de ser auto-destrutiva, porque os processos de ordem superior ignorados podem tornar os dados insuficientes para resolver o problema. Contudo a sua afirmação de que não há nada como um nível natural de um problema mau, que não se segue. Apenas a arbitrariedade erroneamente implícita de tais decisões poderiam apoiar essa inferência. À medida que mais torna-se conhecido sobre os processos de interação relevantes em várias generalidades e supersistemas as decisões sobre o que incluir e por isso tornam-se mais nítidas. Claro essas questões são exatamente os mesmos se é explicação ciência ou formação do desenho que está envolvido e a formulação anterior foi escolhida para ilustrar o ponto. Assim eles também não vão dividir a ciência desde a concepção ou até mesmo problemas maus da maioria dos outros mas novamente expressar num outro aspecto da finitude de qualquer situação humana e os problemas colocados para a resolução de problemas pela interação entre a nossa finitude e da complexidade do mundo. A segunda interpretação ampla decorre a seguinte citação: Assim o crime nas ruas pode ser considerado como um sintoma de decadência moral em geral ou permissividade ou oportunidade deficiente ou riqueza ou pobreza ou o que causal explicação acontecer de você gostar melhor. O nível em que um problema é resolvido depende da auto confiança do analista e não pode ser decidida por razões lógicas. Aqui aconteceu como dentro dessa explicação acontecer de uma pessoa mais gosta implica que a seleção de explicações é arbitrária que não é, embora possa ser caracterizada por ignorância para a ciência ou desenho. No entanto olhando para além deste língua solta, poderia estar argumentar que a forma como nós interpretamos um problema e como se relaciona com outros problemas dependerá nossas convicções normativas. Se esta segunda interpretação é a interpretação que se destina e em seguida a função # viii reduz à questão da normativa. Assim sob a primeira interpretação esse recurso está preocupado com a condição de um e dois, em que o problema apresenta claramente compartilhada com a ciência e sob a segunda interpretação que reduz a condição de três que também alegam que o desenho não é separado da ciência cognitiva.
ix. A existência de uma discrepância que representa um problema corrupto pode ser explicada de várias maneiras, a escolha da explicação determina a natureza da resolução do problema.
A formulação desse recurso estimula a crença de que é uma outra versão do recurso #i. No entanto e apesar de o texto ainda mais confuso, parece claro que a intenção aqui é argumentar que há uma frouxidão entre a conexão e a evidência da explicação que pode ser explorada para defender qualquer explicação da refutação ao reivindicar provas para isso. Na ciência afirma-se que isso não acontece pois se em condições C, H hipótese implica que a evidência E ocorre e que E doe não ocorrer, então H é refutada. Mas na concepção é possível afirmar que E realmente ocorreu ou que os processos intervenientes independentes de H impediu a ocorrência de E ou que E é adiada, mas ainda irá ocorrer, e assim por diante. Ao lidar com problemas complexos, os modos de raciocínio usados no argumento são muito mais ricos do que os são permitidas no discurso científico. Devido à exclusividade essencial do problema e a falta de oportunidades para a experimentação rigorosa como se vê no especto #v, não é possível colocar H para um teste crucial.
É este então um ponto de divisão entre o desenho e a ciência? Não porque a situação real na ciência é exatamente o oposto ao da máquina lógica idealizada que aqui se assume e se tenta aplica, mas notoriamente também é logicamente possível na ciência tentar proteger a hipótese de refutação e por meio de exatamente os mesmos tipos de respostas, como citado acima. Apenas este é o ponto que detém para a ciência em geral e não apenas problemas maus que é sempre possível evitar refutação de uma hipótese precisamente nestes aspectos. É por esta razão que Karl Popper, o grande expoente da falsificação na ciência, que gozava a política metodológica de testar hipóteses tão severamente quanto possível na tentativa de falsifica-las por isso precisamente porque fazendo isso não era logicamente garantido e que considerou de a essência de uma tomada de posição racional ao inquérito. E isso foi uma tentativa de mostrar como um mínimo de proteção hipótese em face de evidências aparentemente adverso pode no entanto racionalmente, assim como um modelo duplo de proteção da chave rodeada de falsidades que auxiliam essa hipótese, e isso ainda é ao tentar fazer uma abordagem lógico-formal para a ciência, ao invés da concepção mais estratégica do conhecimento científico método que defenderia onde as estratégias de todos esses tipos são a essência e as escolhas dos quais a perseguir e quando no coração de buscar o conhecimento de forma racional.
Este fenômeno de teste de hipóteses e possibilidade de evitar refutação é portanto comum no desenho e na ciência. Além disso a melhor fonte desse fenômeno deriva tanto da finitude cognitiva dos seres humanos e da finitude dos recursos. Não se pode na ciência realizar todas as possíveis experiencia tudo ao mesmo tempo, de modo a atribuir claramente a falha de um dos diversos subsistemas, potencialmente provocando uma experiência mal sucedida. Da mesma forma não podemos no desenho implementar todos os projetos possíveis tudo ao mesmo tempo a fim de ver qual é o melhor e quais não, no entanto como acontece com muitas das suas características de tomada de impiedade pode ser interpretado de uma maneira diferente. Considere esta citação: As pessoas escolhem essas explicações que são mais plausíveis para elas próprias. Mas um pouco mas não muito exagerado pode-se dizer que toda a gente escolhe que explicação de uma discrepância que se encaixa melhor as suas intenções e que está de acordo com a ação da sua perspetiva que está à sua disposição. A análise macroscópica é o mais forte e determinante factor para explicar a discrepância e portanto na resolução de um problema mau. Pode ser possível ler um pouco dessa passagem conservadora como por exemplo é razoável escolher plausível e praticamente acessíveis alternativas para investigar. Mas intenções de montagem e visões de macroscópicas estão claramente na intenção de sugerir que as explicações, e as tentativas de evitar discrepâncias a estas explicações são regidas por princípios normativos que não podem ser postas em estruturas coerentes e diferem amplamente na comunidade. Mais uma vez tem-se duas interpretações do texto, uma com base em considerações de finitude a condição um e outra focada na normatividade condição três e em última análise sem discriminação entre o desenho e a ciência.
x. A pessoa que faz o planeamento não tem o direito de estar errado.
As pessoas que são responsáveis pelo planeamento e pelas consequências das ações que geram em que os efeitos podem importar muito para aquelas pessoas que ações sejam trocadas. Este recurso de tomada de maldade é o único das dez características que não se encaixa na ordem das três condições do erro do problema. No entanto não acho que isso prejudica a análise e isto haver três razões, em primeiro lugar a ideia de que um desenhador/pessoa que faz planeamento tem o direito de estar errado só razoavelmente se estende ao domínio de conhecimentos e habilidades atual: porque é se deve reprimir alguém responsável e outros pelas consequências de que é ou são, quando não sabiam e ignoravam o assunto? Além disso é exatamente o mesmo para cientistas, um programa de investigação mal construído desperdiça recursos escassos que podem induzir em erro os cientistas que dependem dos seus dados e conclusões, e seu mau desempenho contribui para ter sua abordagem ou mesmo todo o domínio avaliação como uma perspetiva investigação pobres, injustamente prejudicial pra os futuros cientistas. Mas mais uma vez que a responsabilidade e a viabilidade só é razoavelmente se estende ao domínio de conhecimentos e habilidades pericial.
Em segundo lugar a linguagem empregada mina a posição pessoal, já que na função # iii se alegara que as soluções para os problemas de maus não são verdadeiro ou falso mas de bom ou ruim. Agora se uma solução para um problema perverso é errado, no sentido de errado, então isso é uma contradição flagrante. No entanto se pretender dizer que o planeador não tem direito a más soluções e em seguida os motivos para essa avaliação terá de ser explicitada e nós estamos muito provavelmente levar de volta para a primeira resposta acima.
Em terceiro lugar não está claro se esse recurso é realmente tomado de maldade. Indubitavelmente há consequências que se seguem a partir de nossas ações, algumas horrorosas e como por exemplo, a talidomida e mas isso se relaciona com a natureza dos sistemas complexos do mundo interagindo com nossas ações e conhecimento finito constrangido, para o qual não deve ser responsabilizado como acima para o nosso primeiro motivo. Além disso mesmo que os planeadores e desenhador são responsabilizadas pelas consequências que se seguem a partir de seus planos/desenhos é difícil ver por que isso faz com que o problema maus exceto na medida em que amplia na mente do desenhador a maldade encapsulada em outras características.
Isto conclui a discussão sobre as dez características de tomada de perversidade, viu-se que nove de dez características são claramente redutível a proposta três condições para a tomada de maldade, isso por si só contribui com a uma melhor compreensão dos problemas perversos. Além disso as condições de um e dois são sem dúvida compartilhadas tanto pelo desenho e a ciência e portanto não pode ser a base de qualquer argumento discriminar o desenho da ciência. Aqui não se aborda especificamente a terceiro condição normatividade, por isso pode-se argumentar que como as outras duas condições para a maldade a normatividade desempenha as mesmas funções cognitivas fundamentais na ciência como faz no desenho, em resumo o argumento original ao contrário depende do alegando que o desenho foi norma de orientação enquanto ciência era a norma livre portanto os dois eram os tipos distintos de atividade de resolução de problemas. Mas é claro que esta concepção de ciência assume a lógica empirista da máquina concepção do método científico, uma vez substituída a concepção estratégica de método e o método também torna-se por normas epistêmicas orientada pela norma. A posição posterior aceita que a ciência é orientada pela norma mas afirmar que as normas da ciência são distintamente cognitivo num caráter enquanto os valores que atuam num desenho são a distinção entre a mente cognitiva ou pragmática e em caráter e portanto os seus processos cognitivos são fundamentais e são correspondentemente diferentes, especificamente é a acomodação intencional dos desejos que os humanos distintamente desejam e as preferências do desenho em contraste com a sua exclusão intencional da ciência que é realizada para distinguir as duas atividades. Mas as diferenças entre as normas no desenho e na ciência são irrelevantes para a questão de saber se parcela do desenho e da ciência são um processo cognitivo núcleo em comum. Importa apenas que os dois processos assumam a forma de uma busca estratégica de valor limitado satisfazendo um conjunto de normas.
2 Conclusão
Existe amplamente marcado e aceite um argumento de distinção entre a ciência e o desenho que se base na ideia que a ciência e o desenho endereçam diferentes tipos de problemas desde de maus como no caso do desenho e os problemas controlados no caso da ciência, aqui tento argumentar que esse argumento não terá êxito, a distinção entre maus e os controlados é que não é uma dicotomia exclusiva ao contrário é um algo continuo e cima todos os problema podem ser baseadas com semelhanças no ciência ou no desenho. Ao longo desta forma como se têm mostrado o que está subjacente são os 10 recursos de que são apenas três condições que geram algum especto da impiedade e algum grau de finitude, complexidade e normatividade. O primeiro destes dois relacionem com essas condições gerais que são vistos facilmente aplicar a ambos no desenho e na ciência e muito mais e deixando o desenho e a ciência compartilhar o processo cognitivo comum a que dão origem. Após a análise a terceira condição a normatividade, também não distingue o desenho da ciência mas mesmo que o fizesse poderia seguir a análise aqui que a maldade ou não de problemas e argumento independente para distinguir entre o desenho da ciência.
Este trabalho centrou-se na análise de maldade, o que se aprendeu é que o método do desenho como método de investigação científica é um produto de um processo cognitivo núcleo comum e gestão das condições complicadoras pragmáticas e que os procedimentos e as competências metodológicas invadem de maneiras de progredir cada núcleo e pragmática e a gestão das suas interações. Esta estrutura pode ser explorada e por exemplo a transferência de experiência e estratégias de resolução de problemas quer através de subdomínios no desenho ou entre ciência e o desenho apesar das diferenças pragmáticas. Isto irá por exemplo facilitar os limites, a abstração e a transferência da teoria do desenho técnico mecânico e os seus procedimentos, onde caracterizações bem estruturados de problemas, procedimentos e pragmática tornaram possíveis estruturas de resolução sofisticados para outros campos de forma mais pragmática e complicadas, mas geralmente pode oferecer aos desenhadores uma ferramenta fundamental para ampliar suas perspetiva e refletir sobre suas práticas e providenciar um quadro comum no qual a colocar questões de ensaios e investigação no campo do desenho técnico mecânico.
Enviar um comentário