Ferramentas e técnicas pra o desenho de produto(Part3)

Continuação – http://rishivadher.blogspot.pt/2015/01/ferramentas-e-tecnicas-pra-o-desenho-de.html
Ao captar a essência das ferramentas e ou técnicas não faz sentido adquirir listas intermináveis de ferramentas e técnicas existentes e tentar capturar as suas potenciais contribuições de diferentes perspectivas, não só tal resultado de abordagem em listas incompletas também iria inevitavelmente levar à ocorrência de ferramentas e técnicas inclassificáveis e questões de definição de rendimento que são dificilmente construtivas. Isto implica que as tentativas que são baseadas na tipificação ou classificação de tipos de produtos que só podem levar a disputas hierárquicas.
Alternativamente as ferramentas e técnicas são aqui agrupadas de acordo com suas características em relação à sua abrangência, amplitude, performance e objectivo no ciclo do desenho de produto.
5.1. Posicionamento no ciclo do desenho de produto
Um degrau óbvio para o agrupamento está disponível de acordo com o estágio do processo do desenho técnico, a identificação das fases do ciclo do desenho técnico é inerente à maioria dos métodos de projecto; portanto, uma grande variedade de definições existe, mas no entanto uma enumeração que é bastante comum é: planeamento e esclarecimento/desenho conceitual/personalização do desenho/desenho de detalhe.
Essa lista é instrumental no agrupamento das actividades no ciclo do desenho, assim como também ferramentas e técnicas relacionadas a essas actividades podem ser agrupadas, no entanto porque algumas ferramentas apoiam uma acção específica e algumas ferramentas de suporte a uma parte considerável do ciclo de desenvolvimento como se observa na IMAGEM06 do lado direito, um esquema de classificação que é muito granular e que degradaria as ferramentas amplamente empregáveis ou continuamente duplicando-as. Portanto a classificação contra a fase de desenvolvimento geralmente resulta num corte que é demasiado genérico como exemplo uma classificação baseada no exemplo o desenho de conceito e no desenho de desenvolvimento de detalhe que se torna bastante inútil.
5.2. Tipo de efeito
Como as ferramentas e técnicas são inerentemente empregues para alcançar um determinado resultado o tipo de resultado esperado é um meio óbvio de classificação se expresso a partir do ponto de vista do utilizador o fenómeno efeito da ferramenta e a sua interacção pode ser representado. As seguintes classes de ferramentas seriam pelo menos possivelmente ser distinguidas: Ferramentas actuando na criatividade dos utilizadores. Ferramentas baseadas especial sobre o conhecimento do objecto. Ferramentas que melhoram a forma de trabalho obrigando os profissionais a trabalhar de uma forma mais científica. Ferramentas que incentivam o uso de certos meios técnicos.
5.3. Características dos operadores
Ao elaborar o papel do utilizado e recordando a posição do operador como o factor fundamental em qualquer ferramenta no ciclo do desenho técnico a forma em que estes operadores compreendem e aplicam as ferramentas e é essencial, algumas ferramentas são restivas na sua aplicação porque eles ditam determinadas condições definidas do operadores. Consequentemente é possível identificar por exemplo as seguintes classes de ferramentas: Ferramentas dirigidas a determinados apenas a indivíduos ou apenas a grupos que detêm certas habilidades ou tipos de conhecimento específicos. Ferramentas em que os pedidos estão condicionados à disponibilidade de certos meios de trabalho tais como aplicações, hardware, infra-estrutura, organização. Ferramentas que exigem determinadas condições de trabalho definidos, limitando a sua aplicação restritiva a determinadas situações.
5.4. Alvo e alcance do projectos
Em comparação com os sistemas que sustentam o ciclo do desenho técnico na secção 4 as ferramentas e técnicas são geralmente mais limitadas no alcance do projecto pelo que eles normalmente se relacionam com mais actividades individuais, mas no entanto este não produz uma forma óbvia para descrever as ferramentas e actividades. Afinal de contas o uso de ferramentas e técnicas pode abranger um ou mais actividades abordando diferentes aspectos de diferentes pontos de vista. Além disso as actividades podem ser consideradas em consistir de outras actividades. Isto indica que as ferramentas e técnicas serão interligadas em diferentes níveis de agregação e detalhe, isso implica também que a granularidade do ciclo do desenho irá variar consideravelmente levando a sobrepor as lacunas mas também recursivamente. Geralmente ferramentas do desenho de produto e as técnicas são utilizadas para apoiar melhorar ou permitir o curso dos processos do desenho como proposto por métodos do desenho técnico.
Da mesma forma os métodos de desenhar tecnicamente, algumas ferramentas ou sistemas de subjacentes processos de projecto por exemplo nos sistemas CAD gerais, enquanto outras ferramentas de especialização facilitam as peças seleccionadas do processo. Exemplos incluem ferramentas que suportam um método específico do desenho técnico e as suas actividades num desenho específico como por exemplo aplicações de reconhecimento de recursos para as actividades de preparação de produção ou assuntos específicos do desenho produto como por exemplo cálculo do rolamento de ferramentas de um portal dum fabricante. Dependendo de factores como o alcance, frequência de utilização e grau de integração no processo e algumas ferramentas de desenho são adições úteis, mas dispensáveis para o curso do processo do desenho de produto enquanto outros fazem quebram o sucesso do processo.
Com os diferentes tipos de actividades dirigidas pelos desenhadores o tipo de ferramentas e técnicas também variam, as ferramentas podem variar de ferramentas físicas reais via instrumentos genéricos que são para pacotes de aplicações dedicado que propositadamente suportam a técnica relacionada e independente de técnica.
5.5. Objectivo
Para os desenhadores é tão óbvio que a utilização de ferramentas e técnicas que muitas vezes não se relacionam de forma explícita ao uso de um objectivo formal ou objectivo. No entanto é importante examinar porque é que as ferramentas e técnicas são utilizadas. Isso dá origem à pergunta de valor acrescentado de uma combinação que pode ser entre a ferramenta e ou técnica. Geralmente a resposta a esta pergunta é simples o valor acrescentado é que os desenhadores são mais capazes de fazer o seu trabalho de uma maneira que é mais aplicável e eficaz ou eficiente. Consequentemente os desenhadores tendem a expressar esses benefícios em termos de ciclo do desenho global. Em essência os momentos em que esses benefícios são mais visíveis são os pontos em que as consequências de decisões se manifestam, portanto é extremamente interessante ver que os modelos para as decisões do desenho suportam estreita semelhança com a introdução progressiva de métodos do desenho nos ciclos dos desenhos técnicos completos, esta novamente chama a atenção para a factualidade do desenho numa sequência de etapas de tomada de decisão como se vê secção 2.1.
Em termos abstractos e com base na lógica formal durante as actividades de síntese do processo de desenho o desenhador utiliza o seu o raciocínio abdutivo ou o raciocínio produtivo para criar uma proposta de desenho baseado em pressupostos ou modelos protótipos. Esta proposta é em seguida analisada utilizando raciocínio dedutivo para determinar as características do desempenho do desenho. A avaliação indutiva das características leva a refinamentos do desenho e o ciclo é repetido, o processo por conseguinte baseia-se na utilização de pré-estrutura como uma solução inicial que é refinado por um processo evolutivo em análise conjunta.
Para elaborar algo sobre isso afirma-se que os desenhadores avaliem soluções comparando as alternativas e decidam qual é o melhor e ao fazer isso os desenhadores levam quatro acções básicas. A primeira acção é estabelecer necessidade ou perceber que há um problema a ser resolvido. A segunda acção é entender o problema. A terceira acção é gerar soluções potenciais a ele. A quarta acção é avaliar as soluções comparando as soluções potenciais e decidir sobre a melhor.
Alternativamente as acções também são referidas como “avaliando, validação, navegação e Unificação”.
Além disso se os desenhadores pretendam comunicar os resultados das suas deliberações para qualquer outra pessoa ou gravá-lo para consulta posterior é em seguida uma quinta acção que é também necessário o documento de trabalho.
Para os desenhadores é inerentemente vantajoso utilizar ferramentas e técnicas que abordam a maior parte do ciclo do desenho afinal de contas chamando habilidades para um número limitado de ferramentas e técnicas é muito menos complexo do que o que para muitas ferramentas individuais menores e técnicas, neste último caso é também extremamente difícil manter uma visão geral e para assegurar que todas as actividades são baseadas no estado informações precisas e evolução do desenvolvimento do produto. Isto também está relacionado com o ciclo PDSA mencionado na secção 2.1. a partir de um ponto de vista de gestão desenhos que limita o número de ferramentas e técnicas que fazem parte do ciclo do desenho técnico e que é certamente favorável, e ao mesmo tempo não faz justiça à complexidade e dinâmica de trajectórias do desenho.
Como efeito colateral este especto também pode explicar a tendência das ferramentas técnicas e outros sistemas para expandir lentamente e para incorporar mais e mais funcionalidades.
Por um lado isso é um o benefício do desenhador simultaneamente pode fazer algumas soluções de topo com peso ou pode limitar a flexibilidade do processo do desenho técnico, como por exemplo muitos softwares de CAD convencional têm apresentado esta absorção incessante de funcionalidade que está relacionada com o núcleo do software assim como consequência utilizando específicos recursos ou hiperligações paramétricas relacionadas com o software que pode facilmente comprometer a interoperabilidade entre sistemas e ferramentas e também pode introduzir múltiplas interpretações como por exemplo tendo ambas as características do desenho de produção na mesma parte paramétrica.
Voltando às quatro acções que são mencionados acima que são as actividades objectivas que juntas permitem que os desenhadores executarem tarefas subjectivas a um nível superior da agregação no ciclo do desenho técnico. A este respeito o subjectivo não se refere directamente para ao desenhador ter um ponto de vista preconceituoso e isso significa que em vez do âmbito de um ciclo do desenho de produto nenhuma actividade pode ser vista como separada de todas as outras actividades. Portanto nenhuma parte interessada envolvida pode distinguir o objecto das actividades do seu contexto. O que é mais das actividades é se subjectivo é que na verdade as actividades que os desenhadores possam utilizar de forma construtiva nos seus desenhos como exemplo a analisem, o apoio, a pesquisa, a validação, s simulação, a procura, a garantia, a instigação e a decisão.
Como mencionado anteriormente a decisão é um item especial nesta lista que realmente é a interface entre os itens dessa lista e as actividades objectivas, e em cada etapa do ciclo do desenho as actividades subjacentes a objectivos estão disponíveis para realizar a evolução da definição do produto por um conjunto de decisões inter-relacionadas como se observa na IMAGEM07. Estas decisões ligadas não só formam o motivo condutor dum ciclo de desenho técnico que também reúne todas as partes interessadas ou atores nesse ciclo e até mesmo na cadeia do ciclo de desenvolvimento de sobreposição ou de fornecimento. A chamada rede de actor que retrata todas as relações que dá uma visão de como o contexto e pode influenciar actividades individuais ou de decisões que permitem aos desenhadores empregar construtivamente conexões e sem essa descrição a ligações geralmente contribuem para a complexidade numa situação.
IMAGEM07
IMAGEM07
Reunindo as actividades individuais e agrupa-las assim um modelo um modelo genérico de cada etapa dos resultado das actividades das equipas do desenho técnico que é instrumental nas ferramentas de posicionamento e técnicas de esforço do desenhador como se vê na IMAGEM08, e neste modelo é evidente que a forma como a separação entre os esforços divergentes e convergentes dos desenhadores estão reflectidos.
IMAGEM08
IMAGEM08
5.6. Técnicas directas contra técnicas indirectas e ferramentas
Ao lado dos métodos de trabalho divergentes e convergentes dos ciclos do desenho técnico existe também uma clara distinção entre as actividades directas e indirectas no ciclo do desenho de produto. Obviamente mesmo que a distinção seja aplicável às ferramentas e técnicas e que as ferramentas e técnicas directas contribuem construtivamente para o ciclo do desenho técnico sustentando actividades como geração de conceitos ou selecção de alternativas. As ferramentas e técnicas indirectas dizem mais respeito à garantia de operações mas essencial como por exemplo relacionado com a incorporação à gravação ou comunicação.
5.7. Características das ferramentas universais
Para explicar o funcionamento e as consequências das ferramentas e técnicas muitas tentativas foram feitas para captar o significado das ferramentas em termos das características que são alegadamente independentes ao ponto de vista substantivo tal como apresentado nas seções anteriores e uma dessas abordagens é baseada na extensa investigação empírica com base numa investigação de medição de inquéritos às atitudes dos desenhadores em relação às características das ferramentas que utilizavam para apoiar a prática. O resultado é um conjunto de chamadas CUDT – “características universais do desenho técnico” dada as características descritivas e os termos relacionados nas TABELA01.
CUDT Descrição Termo
Modo de comunicação Como a ferramenta de desenho técnico suporta a comunicação do desenho das ideias aos outros, como a ferramenta de desenho técnico suporta a auto-reflexão e o aparecimento de desenho de ideias Modo auto-reflexão, representação, análise, emergência, diálogo com as representações do ego
Nível de ambiguidades Até ao ponto a ferramenta de desenho técnico apoia a concretização mais ambígua das ideias do desenho, e até ao ponto que a ferramenta do desenho técnico apoia a concretização mais inequívoca das ideias do desenho Natureza destruturada, ambiguidade, não específico
Habilidade de transformação Até que ponto a ferramenta de desenho suporta o movimento de uma ideia do desenho para uma nova ideia que são as transformações horizontais, e até que ponto a ferramenta de desenho técnico apoia o movimento duma ideia para uma variação da mesma ideia que são as transformações verticais Modo de transformação, duplicar, adicionar, detalhe, concretiza, modificar, revolucionar
Nível de detalhe Até que ponto a ferramenta de desenho técnico suporta um nível alto ou baixo de detalhe específico na concretização das ideias e até que ponto a ferramenta de desenho suporta uma impressão geral ou artística de detalhe geral na concretização das ideias  Diferentes tipos de informação disponível, precisão pouco ou muito específica
Nível de empenho Como a ferramenta de desenho comunica um nível superior ou inferior de compromisso para desenhar as ideias Cristalização, integridade, maior compromisso, pouco ou muito comprometido 
TABELA01
6. Uso de ferramentas e técnicas 
Enviar um comentário