Férias (Parte2/2)

(Parte01) – http://rishivadher.blogspot.pt/2016/01/ferias-parte1.html
2.1. O desemprego dos jovens e do ciclo de negócios
A relação entre o ciclo de negócios e de desemprego dos jovens em geral é bem explorado a nível macro no que se segue o efeito da última recessão sobre o desemprego juvenil está em foco. Vários estudos de investigadores ou da OCDE em confirmam a sensibilidade da relação entre o desemprego dos jovens com o ciclo de negócios do que o desemprego dos adultos; O coeficiente de correlação que permite simplesmente identificar a força da relação linear entre o ciclo de negócios e de desemprego dos jovens e o ciclo de negócios é medido pelo crescimento do PIB.
IMAGEM02
IMAGEM02
À medida que pode ser visto na IMAGEM02 o coeficiente de correlação entre o crescimento do PIB e taxa de desemprego juvenil de 2000 a 2013 da Eurostat.
Alguns países, como a Espanha, Chipre, Hungria e Portugal relataram uma forte correlação negativa com valor de coeficiente de correlação mais de -0,7. Os coeficientes de correlação de Malta, Letónia, Irlanda, Eslovénia e Holanda indicam uma correlação negativa moderada valores entre -0,7 e -0,5. Além disso existe uma fraca correlação descendente no caso de nove países nomeadamente a França, Eslováquia, Estónia, Lituânia, Dinamarca, Bélgica, República Checa, Luxemburgo e Croácia. Quando se compara a força de correlações do PIB dos YUE com correlação do PIB-UE, 80% dos resultados são responsáveis relação mais forte no caso do PIB e do desemprego dos jovens.
O desemprego dos jovens responde mais sensível às condições do ciclo económico do que o desemprego adulto, mostrando assim os dados de desemprego dos jovens de países da UE seleccionados na IMAGEM01.
2.2. O desemprego dos jovens e a obtenção do nível de escolaridade
A fim de obter uma melhor visão no desemprego juvenil tenta-se analisar a taxa de desemprego juvenil em relação a um nível de escolaridade educacional, os sistemas de educação e formação são de acordo com a ILO de 2013 e os principais determinantes dos resultados de emprego dos jovens podem fornecer aos jovens as habilidades e atitudes corretas para prepará-los para o mundo do trabalho assim portanto facilitar a transição da escola para o trabalho.
A educação universitária é um investimento importante que ajuda as pessoas a construir suas habilidades e prepararem se para empregos altamente qualificados. Segundo investigadores historicamente aqueles que fizeram este investimento tenha recebido um benefício económico substancial que dura mais de sua vida, mas no entanto em 2014 alguns investigadores sublinham o início da Grande Recessão e a recuperação do mercado de trabalho lento que se seguiu havendo relatos generalizados de universitários recém-formados que estão mal sucedido em encontrar empregos adequados ao seu nível de educação e que um quinto dos jovens no mercado de trabalho é incapaz de encontrar um emprego. Além disso o mercado de trabalho é incapaz de absorver um fluxo anual de graduados frescos e as estatísticas do desemprego da juventude refletem a falta de graduados preparados para a entrada no mercado de trabalho e para o cumprimento dos requisitos dos empregadores e segundo alguns investigadores em 2014 também existe um número significativo de jovens, portanto a questão do desemprego dos jovens é necessário resolver uma série de níveis deficientes começando com a alteração legislativa adequada e dos conteúdos adequados de educação, cooperação intersectorial e diálogo com os empregadores. Segundo alguns investigadores em 2013 o processo de ampliação do ensino superior é legislativamente muito desafiador e requer o apoio de todos os privados para conseguir uma garantia de qualidade e coerência em toda a União Europeia. 
Nível 0-2 Nível 3-4 Nível 5-8
Ano/ País 2000 2008 2013 2000 2008 2013 2000 2008 2013
CY 11.9 9.2 46.2 11.0 8.3 36.3 : 10.1 39.3
EL 24.1 19.0 59.3 31.8 23.0 60.9 29.4 23.7 48.3
ES 24.6 29.7 62.6 25.7 19.3 51.2 26.6 15.7 43.6
HR : 32.5 76.1 : 20.6 47.1 : 29.8 61.1
IT 31.7 23.3 45.5 31.7 19.9 38.0 25.8 23.8 31.8
PT 8.2 15.8 40.2 8.4 14.3 35.5 : 27.3 37.6
SK 77.2 62.5 58.1 35.0 14.6 30.8 26.4 15.5 30.8
TABELA02
Nível 0-2 Menos que a primária, primaria e menos que o secundário.
Nível 3-4 Secundário e pós-secundário
Nível 5-8 Bacharelato, licenciatura, mestrado, doutoramento
Na TABELA02 foram comparadas taxa de desemprego jovem por níveis de habilitações para sete países com a maior taxa de YUE podem ver também na IMAGEM01. Aqui pudesse ver um aumento em 2013 de níveis de escolaridade do nível 3 ao 8 para todos os selecionados e quando comparamos ano de 2008 e 2013 as mudanças são mais notáveis e são identificados para o nível 0 ao 2. Chipre, Grécia, Espanha e Croácia absorveram um crescimento superior a 30%, quanto à Eslováquia existe uma diminuição de jovens desempregados com menos de ensino primário, secundário e primário menor em 2008 e também de 2013. No entanto ainda mais de 50,8% dos jovens desempregados tem habilitações de escolaridade inferior, entre os países pesquisados a Grécia tem a maior percentagem de jovens com terceiro e quarto nível de escolaridade 60,9% e da Croácia mostra a percentagem mais elevada de jovens com nível de ensino superior a nível 5-8 com 61,1%. Em 2013 seis dos sete países seleccionados representam a maior percentagem de jovens desempregados com menos de a primária, primária e menos que o secundário (níveis 0-2).
2.3. O desemprego dos jovens e tipos de contratos de trabalho
Alguns factores tendem a penalizar os jovens mesmo nos bons tempos, o aumento do número de jovens empregados em trabalhos não-padrão, incluindo o trabalho temporário e a tempo parcial. Trabalho não-padrão pode ser benéfico para os funcionários se este trabalho reflecte as preferências de conciliar o trabalho com outras actividades incluindo estudo ou trabalho cuidado. Algumas imagens de empregos a tempo parcial como percentagem do emprego total de jovens de vários países da UE como se observa na IMAGEM03.
IMAGEM03
IMAGEM03
De acordo com a ILO em 2013 a demanda por trabalho não-padrão pode ser causada pela necessidade das empresas de regular a dimensão da sua força de trabalho de acordo com o ciclo de negócios ou para lidar com picos de demanda durante os fins-de-semana ou após o horário de trabalho regular sobre o outro mão estes postos de trabalho não-padrão tendem a ser menos estável e seguro.
Em 2000, a faixa percentual era de 5,9% em Portugal e 61,9% em Holanda e além disso em 2008 a percentagem de emprego a tempo parcial do emprego total juventude mudou-se de 3,2% na Bulgária para 71,2% na Holanda. Além da Croácia no caso de todos os países que observamos um aumento em 2013 e como podemos ver a Holanda com o valor mais alto para cada ano em 2013 foi ainda no nível de 77,6%, este resultado significa que há uma baixa taxa de desemprego juvenil na Holanda mas a maioria dos jovens empregados trabalham em part-time.
Os jovens estão sobre representados entre os trabalhadores com contratos temporários, e embora para muitos destes contratos sejam trampolim para postos de trabalho permanentes de acordo com alguns investigadores para os outros tendem a ser becos sem saída. Trabalhadores assalariados com contratos temporários têm menos acesso à formação e participação no desenvolvimento a longo prazo da competência do que os trabalhadores com contratos permanentes. De acordo com alguns investigadores os trabalhadores temporários também têm menos controle sobre a ordem das tarefas, ritmo de trabalho e métodos de trabalho e têm requisitos mais baixos para trabalho e são menos conscientes dos riscos no trabalho.
IMAGEM04
IMAGEM04
A incidência de contratos temporários difere muito entre os países e na IMAGEM04 é se tentado fornecer dados de jovens empregados temporários como percentagem do número total de empregados e em 2013 pelo menos metade de todos os jovens trabalhadores tinham um contrato temporário na Alemanha, Espanha, França, Itália, Holanda, Polónia, Portugal, Eslovénia e Suécia. Quando comparam-se os valore de 2008 e 2013 o maior aumento foi cerca de 13,6% na República Checa e à maior redução é observada em Luxemburgo com -12,2%. Além disso a proporção de jovens empregados temporários cai para 20% ou menos na Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia e Roménia.
A redução das disparidades entre a regulamentação para os contratos temporários e permanentes devem contribuir para promover a transição mais suave de recém-chegados, incluindo os jovens, a partir de trabalhos de entrada com curta duração para empregos mais estáveis que oferecem uma boa perspectiva de carreira. Pode-se afirmar que assegurar a transição da escola para o trabalho devem caminhar lado a lado com a redução do custo da contratação de jovens pouco qualificados no seu primeiro emprego.
3. Conclusão
Este post apresenta uma visão geral da situação actual dos jovens nos mercados de trabalho, também aponta para disparidades entre os mercados de trabalho de jovens dos Estados membros da UE. A partir da análise é óbvio que a Grécia, Espanha, Croácia, Itália, Chipre, Portugal e Eslováquia são os mais afectados por este problema. No caso de Chipre e Espanha, mais de dez jovens sem trabalho e a presentam-se com trabalho de férias. A comparação dos níveis de escolaridade verifica a maior percentagem de jovens desempregados com menos de ensino primário, secundário e primário inferior. Além disso analisa-se e confirmar relação da taxa de desemprego dos jovens e do ciclo de negócios. Através da análise das pessoas envolvidas em a tempo parcial e contratos de trabalho temporários pode-se verificar que uma percentagem significativa de jovens empregados tem um trabalho atípico e menos estável. Desfavorável chamada situação atual de maior atenção dos países relacionados e execução de medidas para eliminar os desequilíbrios que hoje caracterizam os mercados de trabalho dos jovens na UE. Portanto é necessário que esta questão seja submetida a uma investigação adicional.
Enviar um comentário