Prototipagem 3D caseira(parte1)

Existe um consenso crescente sobre as tecnologias de impressão 3D se serão uma das próximas grandes revoluções tecnológicas. Até o momento algum trabalho já foi realizado como o que essas tecnologias irão trazer em termos de produto e inovação do processo de produção, mas pouco tem sido feito sobre o seu impacto sobre os modelos de negócios e inovação do modelo de negócios. No entanto a história tem mostrado que a revolução tecnológica sem adequada evolução do modelo de negócios pode ser a morte para muitas empresas. No caso de impressão em 3D a questão é ainda mais complicada pelo fato de que a adoção dessas tecnologias ocorreu em quatro fases sucessivas:
- Prototipagem rápida,
- Aprovisionamento rápido de ferramentas para a execução de um processo industrial,
- Fabricação digital,
- Fabricação caseira.
Que correspondem a um nível diferente de envolvimento de impressão 3D no processo de produção. Este post investiga o efeito de cada fase sobre os principais componentes do modelo de negócios. Embora o impacto de prototipagem rápida e a execução de ferramentas rápidas pode ter limitações na expansão, enquanto a fabricação digital e caseira têm um potencial de ser altamente disruptivo. Embora grande parte do valor acrescentado pode ser criado pela captação do valor em tornar-se extremamente disruptivo. Por isso encontrar um modelo de negócio apropriado é crítico e sobre o assunto em causa este artigo mostra que as tecnologias de impressão 3D tem o potencial de mudar a maneira como a inovação do modelo de negócios é realizado, permitindo modelos de negócios adaptáveis e trazendo o paradigma da prototipagem rápida ao modelo de negócios e da própria inovação.
1. Introdução
As tecnologias disruptivas são portadoras de mudanças radicais nos modelos de negócio e dos seus ecossistemas. As tecnologias digitais em particular levaram a grandes mudanças nas indústrias que os adotaram. Uma das consequências principais da digitalização foi transformar objetos tangíveis para os intangíveis como por exemplo, um disco de vinil num arquivo MP3, um filme em um vídeo digital, um livro em um e-book. Por esta razão a digitalização dos produtos é também muitas vezes referido como uma desmaterialização.
Progressivamente ao longo dos últimos trinta anos novas tecnologias digitais permitiram transformar um número crescente de produtos físicos em conteúdo digital intangível. No entanto todos estes produtos tinham em que a expressão física pouco importa. Um filme digital é o mesmo filme seja armazenado em um disco Blu-ray, drive flash, ou transmitida on-line, pelo que possui a mesma função que um filme no cinema embora geralmente duma forma muito melhor. Hoje em dia a maioria de tais produtos já foram digitalizados e os produtos que não estavam são aquelas cujas expressões físicas realmente importa assim não se pode ser feita totalmente imaterial como por exemplo observar um modelo CAD virtualmente de uma colher não é a mesma coisa em utilizar.
No entanto enquanto esses objetos têm necessariamente de ser produzidos com o intuito de ser utilizado impedindo assim a digitalização total, as tecnologias digitais cada vez mais tomam uma parte importante na sua produção. Enquanto a passagem para a digitalização de produção ou fabricação digital que começou décadas atrás através da adoção progressiva de máquinas CNC e outros sistemas de produção controladas por computador com a tendência de ter acelerado significativamente ao longo dos poucos anos que se tem passado e em particular por causa do surgimento da impressão 3D tecnologias.
Originalmente utilizado principalmente para a prototipagem rápida as tecnologias de impressão 3D tomaram progressivamente uma parte mais importante nos processos de fabricação. Como a tecnologia melhorou tornou-se possível utilizar impressoras 3D não só para protótipos, mas também para a produção de ferramentas e moldes utilizados para na produção tradicional. Em seguida tornou-se possível economicamente e em alguns casos para o fabrico inteiramente de produtos finais com as impressoras 3D. Finalmente o aparecimento das impressoras 3D pessoais tornou possível fabricar diretamente em casa ultrapassando assim fase de distribuição física.
No entanto a revolução da impressão 3D é provável que difere bastante significativa das revoluções digitais anteriores, de fato enquanto filmes e música são hoje predominantemente transferidos através da Internet a possibilidade de fabricar em casa é improvável que toda a produção vá seguir este caminho com cada objeto que esteja sendo fabricada em casa numa impressora 3D pessoal. De fato enquanto claramente vantajoso para produtos personalizados a impressão 3D é muito provável que se mantenha economicamente inviável para objetos para consumo das maiorias. Mesmo admitindo que a alta definição multi-materiais impressoras 3D pessoais acessíveis se tornar uma realidade aos consumidores que possam ainda achar que é mais fácil do que adquirir um produto numa loja ou entregue num determinado local.
Embora a coexistência da fabricação física com produção totalmente digital também ocorreu em outras indústrias digitais como por exemplo, CD e discos ainda estão sendo vendidos, este era mais provável seja transitória e os CDs acabarão por ser eliminados ou devido à existência de nichos como os discos de vinil. No caso de impressão em 3D esta coexistência entre os vários modelos de produção e distribuição é muito mais provável a prevalecer no longo prazo. Assim a compreensão das mudanças radicais que a impressão 3D irá trazer uma questão bastante complicada por causa da coexistência de diversos modelos de produção no qual a impressão 3D está envolvido em graus diversos e a partir de apenas de protótipos de fabricação completos e entregáveis.
O objetivo deste post é tentar investigar o efeito perturbador de impressão 3D em modelos de negócios e na inovação do modelo de negócios. A principal contribuição é que poderá fornecer uma análise em profundidade dos efeitos de impressão 3D em todos os componentes do modelo de negócios e finanças para os diferentes níveis de envolvimento da impressão 3D nos processos produtivos. Além disso tentarei demonstra como além das mudanças nos componentes do modelo de negócios a impressão 3D muda inovação do modelo de negócios, permitindo a criação de protótipos e adaptar modelos de negócio rapidamente. Finalmente este post esclarece a relação entre inovação do modelo de negócios habilitados por tecnologias de impressão 3D e o efeito inovador resultante quer seja radical ou incremental.
Em relação à literatura sobre modelos de negócios, este artigo fornece uma estrutura modelo de negócio baseado em valor abrangente que integra os diferentes componentes de valor identificados na literatura. Além disso um quadro inovação do modelo de negócios que combina a visão e informação confidencial e não confidencial do modelo de negócio que é desenvolvido na literatura.
Este post está organizado da seguinte forma. A segunda seção fornece uma visão geral das tecnologias de impressão 3D e seu atual nível de adoção. A terceira seção investiga as fases da adoção sucessivas da impressão 3D e o detalhe do envolvimento relacionado com a impressão 3D em processos de produção. A quarta secção explora o impacto da impressão em 3D sobre os principais componentes do modelo de negócio: proposta de valor, criação de valor, captura de valor, distribuição de valor e valorizar a comunicação. A quinta seção demonstra como além das mudanças nos componentes, a impressão 3D afeta modelo de negócio própria de inovação.
2. Uma visão geral das tecnologias e serviços de impressão 3D
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2016/07/prototipagem-3d-caseiraparte2.html
Enviar um comentário