Ferramentas para a inclusão através do desenho(part1)

Gradualmente incluindo potenciais utilizadores as ferramentas para contrariar exclusões no desenho técnico, pode ser descrito num processo de desenvolvimento iterativo utilizando para estender a adequação das diferentes ferramentas de avaliação do desenho inclusivas aplicadas nas práticas do desenho técnico, e no final deste processo pode ser desenvolvida uma ferramenta chamada de aconselhamento do desenho, combinando dados relacionados a recursos do desenho de pequenos aparelhos com demandas de tarefas ergonômicas, dados antropométricos e dados de exclusão. Ao auditar um novo desenho, a ferramenta examina a exclusão que cada característica que o desenho pode causar, seguida de recomendações objetivas diretamente relacionadas a suas características. Interactivamente permitindo assim aos desenhadores ou clientes equilibrar as mudanças do desenho com a exclusão causada. Assim apresenta o tipo de informação que permite aos desenhadores e clientes discutir as necessidades dos utilizadores e tomar decisões do desenho mais inclusivas.
1. Introdução
A vida independente é uma questão atual, já que muitas sociedades lidam com o envelhecimento da população, por exemplo, em Portugal e, espera-se que, em 2035, cerca de 25% da população tenha mais de 65 anos. Esta mudança demográfica significa um aumento acentuado no setor de mercado de produtos e serviços para adultos mais velhos. No entanto, em comparação com os outros grupos etários, o segmento de mercado de adultos mais velhos provavelmente terá um maior número de pessoas com deficiências físicas, sensoriais e cognitivas e de fato, na Europa, em média, a prevalência da incapacidade entre as pessoas com 65 e mais anos é quatro vezes maior que as pessoas entre os 15 e os 44 anos e duas vezes maior que as pessoas com idade entre 45 e 64 anos. Da mesma forma, nos EUA, mais de 38% das pessoas com mais de 65 anos relataram ter pelo menos um tipo de deficiência, que é a faixa etária com maior incidência de deficiência. Uma investigação recente realizada na Inglaterra demonstrou que, em média, a qualidade de vida das pessoas com mais de 64 anos diminui devido a deficiências que afetam a locomoção, a destreza, a visão, a audição, a memória e outras capacidades dos indivíduos.
Ao analisar estudos anteriores pondera-se afirmar que os produtos geralmente visam os utilizadores mais jovens e como resultado, os usuários mais velhos têm que lidar com a tecnologia que não atende suas necessidades mais fundamentais, causando-lhes dificuldades extras. Essas dificuldades reforçam o caso de se algo é menos útil e menos prazeroso na prática, então as pessoas são menos compreensivelmente e menos inclinadas a envolverem-se. Assim, a menos que as necessidades dos idosos e das pessoas com deficiência sejam integradas nos processos do desenho os novos desenhos não atenderão a essas necessidades ou por sua vez, promoverão a vida independente.
A investigação apresentada aqui reconheceu que a inclusividade pode ser um desafio para os desenhadores. Dirigir problemas de inclusão durante o desenvolvimento do produto significa que os desenhadores devem estar conscientes da diversidade de capacidades da população. No entanto, a conexão entre os recursos do desenho e a capacidade física, sensorial ou cognitiva dos utilizadores finais que não é facilmente identificada. Além disso a relação entre as habilidades exigidas pelas características do desenho e o seu impacto em diferentes níveis e tipos de perda de capacidade facilmente identificados não é simples de entender. Assim, é necessário facilitar a ligação entre os recursos do desenho a exclusão potencial que podem causar.
Por exemplo a interação de controlos com pequenos interruptores ou botões deslizantes ou pressionáveis colocados juntos exige apertos precisos que são difíceis de serem realizados por pessoas com problemas de destreza, como artrite ou doença de Parkinson. Em outros casos, existem inúmeros produtos e pacotes que utilizam fontes de texto ou de primeiro plano e cores de fundo ilegíveis para pessoas com perda de visão, seja resultado de degeneração macular, glaucoma, catarata, cegueira de cor, visão curta ou outra deficiência. Nesses casos, o próprio recurso do desenho causa a exclusão duma parcela da população.
 
IMAGEM01
IMAGEM01
No entanto a investigação reconheceu que o desenvolvimento de produtos é complexo e os elementos do desenho estão interligados e o que compromete decisões desse desenho. Por exemplo a dimensão do texto dum produto pode estar relacionado ao tamanho do produto, o que pode estar relacionado à redução de materiais que o classifica como um produto sustentável. No entanto, mesmo nesse caso, o equilíbrio dos requisitos do desenho com mudanças no desenho informa as decisões do desenho. Assim, apesar dessas principais limitações, os projectista de produtos podem gradualmente incluir pequenas mudanças em seus desenhos. Como exemplo, ter a opção de alterar a fonte de texto, cor de texto ou cor de fundo para tornar um produto final mais acessível e utilizável não afetaria necessariamente outras especificações do desenho. Os telemóveis e os controles remotos na IMAGEM01 são alguns exemplos em que pequenas mudanças podem resultar em um produto mais legível e utilizável para uma ampla gama de utilizadores sem necessariamente afetar outros atributos do desenho. A dimensão do texto, a cor e a cor de fundo do primeiro plano nos telemóveis tornaram-lhos mais legível e fácies de utilizar. A opção de ter funções reduzidas ou através de funções ocultas na capa de slide e com maior contraste de cores tornam o controlo remoto à direita mais simples e legível.
IMAGEM02
IMAGEM02
Da mesma forma na IMAGEM02 a torradeira, a cafeteira, o telefone e a câmara podem aumentar o contraste de cores de seus rótulos para os mais legíveis. Nesses casos, os projetistas dos produtos poderiam ter sido informados sobre a exclusão do desenho permitindo-lhes fazer alterações enquanto ainda era possível durante os primeiros estágios do processo do desenho, tornando tais mudanças menos dispendiosas.
1.1. Ferramentas de desenho inclusivas
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/09/ferramentas-para-inclusao-atraves-do.html
Enviar um comentário