Ferramentas para a inclusão através do desenho(part4)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/09/ferramentas-para-inclusao-atraves-do_30.html 
3. A ferramenta de avaliação interativa inicial
Uma ferramenta interativa integrada no Fusion 360 poderá ser utilizada pelos desenhadores, podendo ser contruída através algumas linhas de código, mas podem ser difíceis de implementar a sua fase de desenvolvimento. Portanto a ferramenta pode apenas ser utilizada apenas para demonstração e simulações das ações tomadas por um desenhador que quer para avaliar a legibilidade dum elemento do desenho técnico, podendo ser demonstrado que os fatores devem ser considerados para avaliar a legibilidade como por exemplo, entre as etapas tomadas que fossem para seja configuração do material do desenho, definição da cor, definição do estilo do texto, definição da luminosidade do ambiente, configuração da distância de leitura, e outros elementos ambientais e do desenho que tivessem de ser definidos antes de avaliar a legibilidade dos rótulos e textos num contexto 3D. O objetivo da ferramenta pode ser destacar a exclusão que os desenhos em desenvolvimento podem causar. Como esses desenhos que estão em desenvolvimento, e os programadores dos produtos poderiam equilibrar os requisitos do desenho com as mudanças do desenho e em seguida, incluir gradualmente pequenas alterações em seus desenhos a favor da inclusividade.
Podendo existir dois exemplos que fossem demonstrados aos participantes que copiavam o desenho duma capa de telemóvel e outro que imitava o desenho dum controle remoto. Ambos os exemplos propuseram uma maneira interativa de verificar a legibilidade no controle remoto. Resumidamente a demonstração do controle remoto (ilustrado nas IMAGEM03 e 05) seguiu a sequência abaixo:
1. Projetando uma caixa com cor e material, adicionando texto com tamanho e estilo de fonte e definição do cenário de simulação, como luz ambiente, distância de leitura, etc.
2. Seleção do desenho inclusivo através do menu e ferramentas e no teste de visibilidade.
3. Uma caixa de alerta aberta descreve o alcance da população excluída da leitura do texto. Além disso pode dar alguns conselhos sobre a dimensão da fonte e o estilo e o contraste de cor de plano de fundo e ou primeiro plano.
IMAGEM03
IMAGEM03
A razão para mostrar uma caixa de alerta como se observa na IMAGEM03 pode-se entender que os desenhadores possam encontrar a informação de inclusão e a ação recomendada que seguiu as mudanças úteis para a dimensão da fonte, estilo e contraste de cor de plano de fundo e ou primeiro plano que visava para orientar os desenhadores a recriar recursos mais legíveis ou mais inclusivos. As demonstrações estimularam o debate entre os participantes que conversam sobre os prós e contras da ferramenta relacionada à prática do desenho, podem ser questionados sobre a interface da ferramenta e a sua própria funcionalidade assim obtendo as informações e os resultados fornecidos.
3.1. Resultados das demonstrações
Os participantes forneceram comentários sobre três aspetos principais da ferramenta; o primeiro é o tipo de interface, segundo são as informações fornecidas, e terceiros são os resultados que poderiam tornar uma ferramenta de avaliação do desenho inclusiva mais adequada para práticas do desenho, que podem ser descritas mais detalhadamente com comentários dos desenhadores e clientes em relação à ferramenta 3D que em resumo são os seguintes aspetos:
Primeiro as interfaces interativas sendo a primeira questão se os participantes acreditavam que uma ferramenta interativa incorporada num software de desenho será útil. Os desenhadores tiveram uma resposta positiva ao conceito, e todos os desenhadores de produtos entrevistados estavam interessados na ideia de utilizar a aplicação 3D para incorporar uma análise do desenho inclusiva, pois estes tendem a desenhar em ferramentas de modelação 3D. Em outros domínios do desenho, no entanto os desenhadores não utilizam necessariamente o software 3D, assim, embora as ferramentas 3D sejam preferidas pelos desenhadores de produtos, outros domínios, como capas de telemóveis, e os seus gráficos, mas os desenhadores de interface e clientes preferem o software 2D. No entanto todos os participates concordaram que as ferramentas interativas semelhantes às apresentadas são preferíveis.
Segundo a informações sobre inclusão um aspecto polêmico da ferramenta foi o resultado relacionado à percentagem da população adulta excluída. De acordo com alguns dos desenhadores a informação de exclusão baseada numa percentagem de toda a população pode não afetar o mercado alvo do produto, para os clientes, por outro lado, pode indicar oportunidades no mercado. No entanto ambos os grupos sugeriram que a percentagem da população excluída poderia ser dividida em grupos demográficos, como grupos etários, classes sociais, etc. Esses grupos são frequentemente associados aos requisitos do mercado e podem avaliar os dados.
Terceiro o resultado por objetivos, o outro especto que requeria compreensão era se a avaliação de características do desenho em desenvolvimento era uma maneira eficaz de melhorar a inclusão em novos desenhos. Todos os desenhadores mencionaram que gostariam de receber informações mais detalhadas do que as fornecidas na ferramenta, como informações diretamente relacionadas ao desenho que estão a criar e o que é recomendado para aumentar a inclusividade e os melhores recursos para uma melhor inclusão. Depois de considerar os comentários recebidos dos participantes sobre a ferramenta inicial e as interfaces mais desenvolvidas da ferramenta levaram a mudanças em dois aspetos principais:
Primeiro a ferramenta que foi construída numa plataforma independente da aplicação para a web o que significava que não estava restrito aos desenhadores de produtos como nos CAD integrados, mas estava disponível para outros domínios do desenho também como para clientes.
Segundo pode-se continuar a avaliar o desenho em desenvolvimento e a estimar a exclusão da população adulta. No entanto através do processo de desenvolvimento iterativo, os detalhes dos resultados podem ser melhorados para satisfazer os desenhadores e as recomendações dos parâmetros para melhorar a inclusão podem ser adicionados aos resultados.
Uma ferramenta desenvolvida com a última versão da sua interface poderá ser detalhada numa nova seção.
4. Uma outra ferramenta desenvolvida como consultor externo do desenho técnico
Como na ferramenta inicial o requisito básico de um consultor do desenho inclusivo pode permitir aos desenhadores e clientes auditar de forma interativa a inclusão dos desenhos emergentes. As informações sobre as características das características do desenho dum desenho em desenvolvimento devem ser inseridas no sistema e os comentários são relacionados à inclusão desses recursos.
Como por exemplo num novo desenho duma dum sapato para avaliar a legibilidade de cada recurso do desenho e sendo obrigatório inserir no sistema os atributos de cada elemento, ou seja, para a avaliação de legibilidade dum comutador e dos seus rótulos, é obrigatório para entrar no processo do desenho inclusivo como cor do plano de fundo, os atributos do comutador como a dimensão, cor, acabamento do material, e também os atributos do rótulo, como dimensão do texto, cor e estilo. Em seguida a exclusão relacionada a problemas de legibilidade é calculada. Ao alterar qualquer atributo são fornecidos novos comentários relacionados à exclusão. A informação entregue pela ferramenta é a estimativa da percentagem da população adulta excluída de ver ou manipular confortavelmente o desenho e as recomendações para melhorar o desenho.
Os principais requisitos de desenho inclusivo baseiam-se nos resultados do estudo exploratório realizado desde que a ferramenta inicial foi desenvolvida, podendo alguns deste ser referenciados.
Continuação – …
Enviar um comentário